Follow my blog with Bloglovin

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mami

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

mandar vs. gerir talentos

a felicidade é altamente lucrativa” é  uma expressão do ceo da phc software, numa entrevista ao expresso.

não resisti a ler a entrevista, embora adivinhasse a sua essência. centra a felicidade na meditação, mas a minha reflexão centra-se na liderança.

parece ser banal, do senso comum, lógico e facilmente percetível que pessoas felizes e motivadas, são pessoas mais produtivas e com maior capacidade criativa e de transformação. posto isto, não se entende porque há tanta insatisfação com as chefias em portugal – pelo pouco reconhecimento, incentivo e valorização das equipas.

parece prevalecer um modelo de liderança autoritário baixo um véu de trabalho colaborativo, onde a igualdade de papéis impera enquanto se seguir a ideia central…do chefe.

num país de senhores doutores e senhoras doutoras, parece haver o receio de valorizar ideias alheias, mesmo quando lhes é atribuído – não reconhecido - valor.

há, ainda, a necessidade de valorização pelo “mandar” e não pela construção conjunta de valor para a empresa, na qual existem papeis definidos e as pessoas não se deixam amedrontar pelo valor dos outros.

por outras vezes poderá ser pelas chefias estarem tão concentradas na sua visão do tema que são incapazes de – efetivamente – ouvir ideias divergentes, inviabilizando assim boas possibilidades de inovação.

não digo que mandar seja fácil, já coordenei equipas e sei que não o é.

mas mandar por mandar é ditadura, é castração, é desmotivação.

mandar é (deveria ser) gerir talentos. é encontrar a forma de rentabilizar o saber e competências dos elementos da equipa em prol dos objetivos da empresa. exige o conhecimento da empresa e dos colaboradores. exige jogo de cintura e capacidade de negociação. exige (muita) inteligência emocional e empatia.

se houvesse em portugal mais gestores de talentos, haveria certamente mais sucesso nas instituições, mais colaboradores motivados, pessoas mais felizes.

como sabemos a felicidade gera felicidade. ser profissionalmente feliz, faz-nos chegar a casa com energia positiva, com mais vontade de fazer coisas para partilhar essa felicidade, para fazer os nossos felizes.

o trabalho ocupa demasiado espaço/tempo na nossa vida, muitas vezes parece incapacitar-nos para a felicidade – as frustrações que de lá trazemos roubam-nos o brilho. claro que podemos e devemos combater isso, mas sabemos que não é fácil.

gerir talentos

imagem retirada daqui

 

senhores chefes, patrões, coordenadores e outros que tal, por favor olhem para as pessoas com quem têm a honra de trabalhar como um manancial de talento, de lucro - se preferirem, e desafiem-se a encontrar a forma de fazer brotar e gerir esses talentos... isso fará de vocês gestores de uma riqueza (quase) inesgotável!

 

qual é o teu rótulo?

todos temos rótulos, todos rotulamos. é uma dinâmica social difícil de combater.
mas o facto de ser difícil não quer dizer que não se tente 💪 
a cátia do blog the pink elephant shoe despertou a minha atenção para este assunto através de uma publicação no seu instagram, penso que poderíamos aproveitar e refletir um pouco sobre esta questão.
 
que rótulos fomos recebendo ao longo da vida? no meu caso o rótulo que vence é o de arrogante - os outros são bastante próximos: petulante, convencida -, imagino que seja por defender o meu ponto de vista - e quase sempre tenho uma opinião! - sem fundamentalisos; por ser uma mulher segura de sí e das suas escolhas; e por não ter grande paciência para queixumes (vitimizações, críticas, aiaiai...).
o que sinto em relação ao rótulo? obviamente que não gosto, sobretudo porque acho que sou bastante assertiva e educada para com o mundo, mas sei lá eu ... pode ser a minha arrogância que me cega 😜 ninguém gosta de ser julgada e condenada sem ser tida nem achada.
se ponho rótulos aos outros? sim, evito fazê-lo, mas por vezes, distraio-me e acontece. é como se habitasse em mim um monstrinho que quando me apanha distraída entra em ação e, quando me apercebo, lá estou eu a julgar ou rotular alguém que nem ou mal conheço.
é importante falarmos disto. porque mesmo quem é contra o rótulo, muitas vezes acaba por rotular. vamos consciencializar-nos deste ciclo de rotulagem e romper com ele!
 
qual o teu rótulo?!
 

qual é o teu rótulo?

 

 
se tiveres instagram podes partilhar o teu e juntar-te a esta reflexão partilhando-o com o hashtag #esteeomeurotulo 

para além do futebol

estávamos ainda no rescaldo de uma excelente organização do festival da canção – onde mostramos à europa como conseguimos rentabilizar recursos e com “pouco” fazer muito, quando estalão, tipo pipocas,  as notícias sobre o sporting – desde a corrupção no andebol - e possivelmente no futebol, os acontecimentos de alcochete com todos os episódios que de lá surgiram - rescisão de patrocinadores, descida em queda do valor das ações, possível rescisão de treinador e jogadores, demissão de órgãos sociais ... um clube, uma empresa, em queda abrupta.

isto vai para além do futebol. é uma grande empresa em derrocada. e as grandes empresas têm funcionários. são estes futuros que também estão a ser postos em causa.

isto, meus amig@s, não é só futebol, não é só desporto. é, também, uma questão social.

mais do que futebol

imagem retirada daqui

já cheira mal!

há pessoas e situações que me perturbam ... muito!

sobretudo quando são infantis e entram em "loop".

esta manhã ouvi mais uma troca de galhardetes entre o trump e o kim...e a sério que não deixei de pensar que estavam tipo putos a ver quem tinha a pila maior! 

21617656_855559991268278_960355071650907342_n.jpg

imagem retirada daqui

 

- desculpem descer o nível deste conceituado blog -

que pai/mãe poderá dizer que nunca tomou uma má decisão em relação à vida do seu filho?

todos os pais são chamados a tomar decisões sobre a vida dos seus filhos a cada dia. nem sempre tomarão as mais consensuais ou politicamente corretas, mas acredito que tomarão aquelas que consideram ser “as melhores” para aquele ser que tanto amam.

ninguém toma uma decisão para prejudicar um filho (que acreditar neste principio). pelo menos não de modo consciente e premeditado.

nem sempre as decisões tomadas se revelam as melhores. que pai/mãe poderá dizer que nunca tomou uma má decisão em relação à vida do seu filho? (quer estejamos a falar de saúde, educação ou outras).

tem-me custado ler notícias a dizer que a mãe da jovem que morreu com sarampo é antivacinas. o que pensa a comunicação social? que esta mãe não terá já refletido sobre isso? não se terá já arrependido de não ter avançado com a vacinação?…precisará ela de um país a condená-la?!

o título que mais me chocou foi o do expresso “mãe da jovem que morreu com sarampo é antivacinas, não procura esta afirmação uma imediata condenação da mãe?!

qual é o custo (i)moral de vender jornais ou obter cliques para uma notícia?! confesso que o expresso muito me desiludiu com esta abordagem… ao nível do sensacionalismo do cmtv.

vacina sarampo

 imagem retidara daqui

 

a sábado explica que “a jovem sofreu um choque anafilático aos dois meses, quando são administradas várias vacinas aos bebés. depois, não voltou a ser vacinada.” os pais tomaram, na altura, a decisão que consideram mais benéfica para a sua filha, não compete a quem está de fora julgar e condenar esta família. quem pode dizer que não conhece casos de consequências graves por reações a vacinas?! são raros os caos, é verdade, mas existem.

entendo que se pretenda usar este caso para sensibilizar a população para a importância da vacinação, mas não creio que deva ser esta a forma. devastar uma mãe em dor pela perda da filha não deve ser o meio para sensibilizar outras famílias, pelo menos não no imediato, e não partindo de um ministro que tem de representar todos e ser sensível a todos.

 

banhos nas salinas com pouca segurança

depois de ter lido o post d' o melhor blog do mundo "fomos a banhos numa salina" lembrei-me que o verão estava a terminar e que este era um espaço que muito tinha ouvido falar e desejava conhecer. assim sendo, lá fui eu!

o spa salínico em aveiro foi fortemente divulgado durante o verão. um espaço nas salinas onde os visitantes podem tomar banho numa "piscina" aproveitando os benefícios para a pele do sal e ... da lama.

chegamos muito bonitinhas às 10h00 só um casal por lá passeava). perguntámos a uma moça, enquanto esta abria uns quiosques onde adquiríamos os bilhetes (tinha lido que o acesso tinha um custo de 2€); prontamente respondeu "têm de esperar que chegue a carrinha" perante a nossa cara tipo cachorro a ver uma situação incompreensível, ela acrescenta "deve estar a chegar".

lá esperámos aproveitando o sol da manhã. lá chegou uma carrinha do cale de oiro que percebi depois ser uma empresa de animação turística da região. lá pagamos os 2€ de entrada, com opção de banho após piscina acrescia mais 1€. perguntei se haveria alguma indicação que nos quisessem dar (aparentemente não) e perguntei em que espaços poderíamos tomar banho, ele referiu que "apenas" na piscina grande...tudo o resto são salinas em "produção"... lá se vai a ideia de espaços mais pequenos mais concentrados com água até aos tornozelos :D pelo que li parece que em dias de maior afluência não conseguiram controlar estes banhistas... ou simplesmente não informaram.

a piscina. um perigo!

 

piscina nas salinas

 

na parte lateral esquerda (vendo a foto) existe 1m de 'chão' da borda da piscina ao seu interior (até ao corrimão) com água pelos joelhos creio que terá aproximadamente 50cm de profundidade. na parte dianteira, a mesma situação só que um pouco mais fundo, quiçá 70cm. até aqui tudo bem. o problema é aquela esquina que se vê sem corrimão e onde, a 1m da "borda" da piscina, encontramos um buraco. ou seja do nada perdemos o pé. é como se sem estar a contar tivéssemos um degrau de 30cm (e acreditem que degrau é a palavra certa pois a estrutura da piscina é rude, tipo cimento). eu que sou cagufa e era impossível ver o chão entrei a medo pelo que detetei a situação. imagino os acidentes que devem ter ocorrido ou podem ocorrer. senhores da cais do oiro têm mesmo de melhorar as condições de segurança dentro da "piscina"!

quanto ao resto, a experiência é diferente. a sensação dos pés na lama é engraçada. efetivamente não senti concentrações de sal que me fizessem sentir a flutuar  (isso senti na cabine de flutuação no hotel lusitano na golegã), mas acredito no valor terapêutico deste tipo de banhos e sim… untei-me de lama salgada.

por 2€ não é mau. se repetiria? quiçá de passagem. se levaria crianças? não! se levaria idosos? não! não existe segurança naquela 'piscina'! não é (apenas) pelo medo de afogamento (que pode acontecer a um pequenote) pois o espaço é pequeno e creio haver sempre alguém para rapidamente intervir, mas pelas lesões que podem ocorrer.

 

diz-se que: com tantas normas de segurança neste país... como deixaram passar tal?!

Mais sobre mim

com o teu irs ajudar não custa mesmo nada

com um xi-coração podes ajudar!

leitura para crianças

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

rasurando

logo.jpg

diz não à violência doméstica

instagram

facebook

pinterest

segues-me?

Follow

Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D