Follow my blog with Bloglovin

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mami

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

eutanásia: um ato de amor

sou a favor da despenalização da eutanásia / morte medicamente assistida.

acredito que uma pessoas que acompanhou a agonia de alguém que ama (o verbo apresenta-se no presente pois a morte rouba-nos a pessoa mas não o amor que por ela sentimos) é favorável a esta decisão.

há dores tão intensas que embora se sintam não nos arrasam, pois sabemos que essa dor é finita ou está envolta em esperança.

quando sabemos que a dor só terá fim com o fim da vida; que ela não acabará pois já venceu todas as batalhas possíveis, prolongar a vida de dor de uma pessoa é, a meu ver, pura crueldade.

também há a dor silenciosa de quem se perdeu de si em consequência de um acidente ou doença. quando se tem a consciência de que não mais voltará a ser quem foi ou será quem sonhou ser. quem solta gritos mudos e o onde o seu olhar suplica clemência.

como referi aqui acredito que cada indivíduo tem o direito de decidir sobre a sua vida e, consequentemente, sobre a sua morte. acho que deve ser uma decisão baseada numa reflexão apoiada por especialistas (mesmo se se tratar da inclusão desta decisão num testamento vital ou algo semelhante); mas uma decisão da pessoa, com toda a liberdade que as suas decisões têm.

sou a favor da despenalização da eutanásia e não da eutanásia. a decisão de por termo à vida é uma decisão individual. não me compete decidir sobre o poder de decisão dos outros.

se, por questões legais, for chamada a decidir sobre o por termo à vida de alguém (coisa que espero jamais aconteça), farei-o em função daquilo que a pessoa me tenha transmitido. será certamente uma das decisões mais difíceis da minha vida, mas sei que faze-lo é um ato de amor. aceitar a decisão do outro, respeitar a decisão do outro e resistir à vontade egoísta de prolongar a sua presença para satisfazer as minhas necessidades ou acalmar a minha consciência. 

eutanásia: uma to de amor

 imagem retirada daqui

 

este não é um tema fácil de decidir, nem de legislar. admiro a postura do psd em dar liberdade de voto aos seus deputados (independentemente do sentido de voto), pois este tema vai muito além de cores políticas ou decisões partidárias.

 

intromissão ou dever?

amizade

sempre tive a perspetiva de que os amigos são as pessoas que devem dizer o que ninguém tem coragem ou o direito de dizer. aquele espelho sem filtro no qual nos vemos. aquele que sabe que podemos reagir mal à primeira (porque dói o que ouvimos) mas que depois iremos agradecer. isto para mim sempre foi um dever e uma responsabilidade.

porém a experiência mostrou-me que nem sempre os nossos amigos querem esta honestidade. não querem lidar com os factos que temos para lhes apresentar e querem viver na ilusão velada que criaram para si. 

"chapar na cara" aquilo que tentam esconder de sí mesmos é deixá-los entre a espada e a parede... situação que dispensam pois não querem ter de tomar uma decisão sobre esse assunto.

portanto, tenho tido vários debates de consciência nos últimos tempos. quem eu era não os teria. quem eu sou acha que devo respeitar a opção do meu amigo em "fechar" os olhos. contudo, onde fica a minha responsabilidade de amigo em querer o melhor para ele? Por outro lado, onde fica a liberdade dele para decidir o que considera ser melhor para ele?

quais são os limites da nossa intromissão na vida dos nossos amigos? devemos aguardar que nos perguntem e aí libertar a nossa honestidade ou devemos intervir libertando-os da sua cegueira autoimposta?

 

diz-se que: a nossa liberdade termina quando começa a liberdade do outro

qual o valor da tua vida?

mais uma questão do livro das perguntas* 

 

"você envolve-se romanticamente com alguém, mas passados seis meses conclui que precisa de terminar a relação. tendo a certeza de que a pessoa se iria suicidar se a deixasse, e tendo também a certeza de que nunca seria feliz com ela, o que faria?"

 

a mami responde:

esta parece, à partida, uma questão exagerada, mas a verdade é que já tod@s (penso eu de que) ouvimos histórias de pessoas que ameaçaram por termo à vida se @ outr@ @ deixasse - e embora se pense, viva o preconceito, que estas situações são “coisas de gaja”, tenho a dizer que nas duas situações que conheço partiu de gajos.

escolho as perguntas do livro que me obrigam a pensar. esta despertou a minha reflexão. não tem uma resposta inconsequente. e faz-nos pesar vários aspetos.

em primeiro lugar temos de perceber se a pessoa que pretendemos despachar seria ou não capaz desse ato. na dúvida, dar a lei da vantagem e acreditar que sim.

depois devemos refletir sobre a nossa capacidade de lidar com um possível sentimento de culpa, que pode surgir se o desgraçado bater a bota. eu, por exemplo, tenho muitos problemas a lidar com a culpa (a real e a imaginada – raios para a educação católica da culpa e do castigo que me foi incutida!).

numa situação paralela ponderar a vida que teremos ao lado de alguém com quem ficamos apenas por medo das consequências de tomar a decisão que desejamos. conhecendo-me, tornaria a minha vida e a do desgraçado uma tortura.

dada esta breve análise da situação, o desgraçado acabaria por suicidar-se de qualquer maneira. por isso, se desvaloriza tanto a sua vida, não vale a pena estarmos a empatar-nos uma ao outro!

puppets-575833_1280.png

imagem retirada daqui

 

*stock, gregory (2006). o livro das perguntas (#178). edições estrela polar.

qual o teu dress code da sensualidade?

é sexta-feira yeah …

é dia livro das perguntas* 

 

se quisesse ficar muito sexy, como se vestiria?

 

a mami responde:

lembro-me quando realizei o estudo altamente científico sobre o que atrai ou repudia o outro, verificando que o que por vezes as pessoas acham sexy não é efetivamente o que o sexo oposto acha atraente.

agora, acrescento a este raciocínio aquele que defende que as pessoas vestem-se para si, para se sentirem bem consigo mesmas. ora bem, se é verdade que no dia-a-dia sou-me fiel ao vestir, aos meus gostos e conforto, quando se trata de sair para deslumbrar ou ser sexy, visto-me para os outros – desculpem ser tão básica.

quando quero ser sexy, não o quero para mim, quero ser sexy para o(s) outro(s); claro que as peças escolhidas têm muito a ver com o nosso conceito de sensualidade.

quando me visto com o objetivo de ser sexy, escolho aquilo que considero ser sensual,  olho ao espelho e sinto-me sexy … e é aqui que tudo muda. não é o que se usa, mas como se usa. não interessa se o que eu estou a usar é sexy ou não aos olhos dos outros, o que define a minha sensualidade é a minha atitude ao sentir-me sexy.

muitas pessoas falham redondamente ao tentarem ser sensuais pois escolhem o que está convencionado como tal (minissaias, leopardos, saltos, transparências, decotes, maquilhagem…) e não aquilo com que se sentem genuinamente sensuais. não há nada pior do que vestir uma pele que não encaixa em nós.~

muitos de vós estarão a pensar “grande contradição neste texto” - tal não seria raro; sou um manancial de contradições, o que mostra a minha permeabilidade e flexibilidade…sendo, por isso, um ser mais resistente às contrariedades , ops! já divaguei. bem, não considero que haja propriamente uma contradição no meu discurso. visto-me para os outros mas com base nas minhas ideias de um conceito que, neste caso, é o se sensualidade. se eu não me vestisse para os outros, não me vestiria para me sentir sexy – vestiria o meu pijama quentinho e enfiava-me no sofá com uma manta -, não preciso de me sentir sexy comigo mesma, eu já me adoro e desejo só pelo facto de ser eu (lool).

após esta breve análise e divagação,  voltemos à questão. quando pretendo transbordar sensualidade existem 3 elementos essenciais: o salto alto, o perfume  quizás e o batom vermelho. tudo o resto é acessório. mas calma meus amores. não ando por aí perfumada e de lábios vermelhos apenas num saltinho alto. também há roupita. mas esse aspeto pode variar muito consoante a ocasião, a estação ou o mood.

 

dress code da sensualidade

 imagem retirada daqui

 

*stock, gregory (2006). o livro das perguntas (#179). edições estrela polar.

os fantasmas existem?

de volta ao livro das perguntas*...

 

“acredita em fantasmas ou espíritos maléficos? estaria disposto a passar uma noite numa casa isolada, supostamente assombrada?”

 

a mami responde:

esta é uma daquelas questões difíceis de responder sem parecer anormal. qualquer intelectualoide afirmará a pés juntos que os fantasmas não existem. bem, eu não consigo ter essa certeza – o que me consagra, à partida, para o lugar das pessoas com um desenvolvimento intelectual e cultural menos evoluído.

cresci numa família católica numa aldeia perdida do centro do país. cresci ouvindo relatos das visitas das pessoas aos espíritas para saber somo estavam as almas que tinham partido. ouvi relatos de pessoas que falavam com os seus entes queridos, através da sra espírita – afirmando que estavam lá os jeitos de falar do defunto, ou a voz ou o olhar. as pessoas muitas vezes saiam destes encontros com uma lista de promessas que o falecido não tinha cumprido em vida e que a família teria de cumprir para a alma poder “ir em paz”. recordo também histórias de almas perdidas que não aceitavam a morte e que andavam por aí, irritadas, a fazer “mal” às pessoas, era preciso acalmar a sua alma.

bem, como podem imaginar, com coisas tão presentes - embora racionalmente saiba que muitas destas coisas podem não ser verdade e que há factos que as desmentem-, fica sempre aquele “ e se”. em pequena houveram fases em que não me deitava antes de abrir o roupeiro e espreitar debaixo da cama e atrás dos cortinamos – borradinha de medo dos espíritos que por lá poderiam estar, mesmo em pequena os monstros que me aterrorizavam eram humanos.

perante este cenário não sei bem no que acredito, mas não nego taxativamente a existência de “fantasmas”, “almas penadas” e afins.

claro que esta questão levar-nos-ia a uma reflexão mais prolongado sobre o que acreditamos relativamente ao pós-morte. em relação a esta questão, intimamente ligada à religião, já vi pessoas a passarem de um estremo ao outro quando imersas em situações de doença ou perda.

resumindo: sim, acredito em fantasmas (que não têm de ser maléficos) e não, nada de pernoitar, lanchar ou passear em casas “assombradas”.

 

acreditas em fantasmas?

imagem retirada daqui

 

nota: por favor, intelectualoides fofos, não deixem de me considerar.

 

*stock, gregory (2006). o livro das perguntas (#20). edições estrela polar.

 

outras perguntas:

casamento sem sexo?

por amor?

apetece-me dizer a amigos do facebook

sou utilizadora de redes sociais. vejo grandes vantagens em cada uma delas. adoro o pinterest para procurar inspirações e dicas; gosto muito de fotografar e o instagram é uma montra de bons trabalhos; o facebook permite-me estar em contacto com familiares e amigos; o linkedin, o twitter e o google +, embora use menos, também lhes reconheço potencialidades.

por isso, não pretendo aqui escrever um post hipócrita sobre redes sociais. pretendo apenas deixar um desabafo em género de reflexão.

por questões profissionais “tenho” de aceitar alguns pedidos de amizade no facebook que honestamente dispensava. graças ao mark que o facebook tem um conjunto de ferramentas que nos permite gerir os vários tipos de “amigos” que por lá vamos tendo. isto para vos justificar o correr pela minha página de faebook vários tipos de personalidades.

por vezes quando estou a ver o meu feed de notícias no facebook, simplesmente para libertar a mente depois do stress do dia-a-dia – um exercício oco mas bastante eficaz, vejo coisas que me fazem questionar até que ponto é que as pessoas têm noção do expostas que estão.

já me apeteceu escrever varias vezes:

- fotografias com o vosso reflexo em espelhos, com boca de peixe e minissaia são, no máximo, apropriadas a adolescentes parvas e não a mulheres de 30 anos!

- parem de mandar indiretas aparvalhadas e doridas – toda a gente repara na vossa “pretensa” desgraça menos quem vocês querem atingir!

- deixem de dizer ao mundo que são “cornos” … ninguém gosta de cornos sofridos e mal-amados!

- a maioria dos vossos amigos no facebook não são médicos, pelo que, não necessitam de saber da vossa história clínica à vírgula, nem mesmo à página!

- não façam da vossa página uma playgirl ou um playboy … os vossos pais, ou pior, os vossos filhos, podem ter acesso às mesmas!

- acreditem ou não, ver cada milímetro de evolução dos vossos músculos não interessa a ninguém.

- please, please, please não ameacem de azar ou morte as pessoas que não derem seguimento às vossas cadeias de “amor”, “solidariedade” ou coisa que lhes valha

- e, se não for pedir muito, evitem post com reflexões profundas cheias de erros ortográficos ou claramente copiadas de um qualquer autor brasileiro.

social-network-76532_640.png

imagem retirada daqui

 

após este momento sinto-me mais leve. cobarde por não o dizer a quem me apetece, eu sei… mas muito mais leve na mesma!

a ignorância é uma bênção

ontem em conversa com um amigo, sobre o que gostaríamos para as nossas filhas, surgiram vários aspetos. hoje, vou aqui destacar um: a ignorância (que ele teimosamente chamava de inocência).

há uma expressão em inglês que “my person” costuma usar “ignorance is bliss”, na qual eu acredito piamente.

fazíamos a analogia entre o acreditar no pai natal e no amor.

é verdade que o natal, depois do reinado do pai natal, continuará a ser uma época especial de reencontro familiar e de troca de presentes, mas terá perdido a magia no imaginário das crianças. deixará de ter o encanto e a magia do senhor de barbas brancas que lhes vinha deixar uma prenda especial (que a criança desejou e pediu…e para a qual se terá portado bem durante o ano  ).

algo semelhante acontece com a crença no amor. eu sempre fui uma sonhadora, uma devota do amor. até que cresci. e vi muita coisa. soube de muita coisa. percebi que o amor é um sentimento construído, que implica duas pessoas e que pode ser quebrado pelo cansaço, ou pela mudança de interesses, ou por nada, ou por tudo, ou unilateralmente, ou ... é um sentimento vivo que se alimenta do que o rodeia, que se distrai e que por vezes se perde. esta consciência fez-me começar a ser cautelosa, a medir afetos e investimentos. fez-me racionalizar o amor, portanto retirou toda a magia a este “nobre” sentimento.

tenho saudades de acreditar no pai natal, assim como de acreditar no amor!

espero que a minha pequena princesa guerreira acredite por muito tempo na magia, que se deixe encantar, que viva feliz cada amor, que acredite que se não acertou numa relação é porque não era essa a “tal”, que a sua cara-metade estará por chegar; mas que se valorize, que nunca perca a sua essência, que não aceite nunca menos do que merece, do que a faça sonhar, do que a faça sentir especial … que viva feliz na ignorância de que o amor pode acabar.

heart-762564_1920.jpg

imagem retirada daqui

o que deves ter, dizer ou fazer para seres irresistível

o que torna alguém irresístivel

 

recordando os estudos científicos da mami.

 

na continuação do estudo iniciado com o objetivo de responder à questão o que deves dizer ou fazer para o teu engate fugir (a correr), esta semana lançamos a questão inversa: o que deves ter, dizer ou fazer para seres irresistível, em mais um post enquadrado na rubrica de estudos sociológicos no café.

 

mantemos o mesmo rigor científico e a mesma equipa de investigação.

amostra: 8 indivíduos de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 38 e os 71 anos)

questão: o que a pessoa deve ter, dizer ou fazer para ser irresistível?

obtivemos os seguintes resultados:

 

respostas do sexo feminino:

.ter peito largo (porto de abrigo)

.cheirar bem e ser quente

.bem vestido (sapatos com pompom, camisa às riscas e pullover vermelho ao pescoço)

.ter tatuagens (ar de bad boy)

.um olhar desafiador

. um registro criminal significativo

 

respostas do sexo masculino:

.mostrar sem mostrar

.um olhar cativante

.um bom rabo

 

observação significativa:

onde estão as questões emocionais e as características pessoais?

o que nos atraí é apenas o físico, preferimos não saber mais (para assim viver a ilusão da paixão)?

 

e para ti, o que torna alguém irresístivel?

 

o que deves dizer ou fazer para o teu engate fugir (a correr)

 

 

bar, friens and RS

 

recordando outros estudos científicos da mami 

 

vou hoje abrir um espaço sem precedência no blog e sem a certeza de continuação: estudos sociológicos no café.

pessoas sempre me fascinaram. a diversidade. a subjetividade. o complexo dos diversos fatores que definem cada ser.

mesmo nas coisas mais banais do dia a dia.

gosto de observar as pessoas em diferentes contextos, um dos mais deliciosos é o se "café do costume". as pessoas estão descontraídas e com quem gostam, ou com quem partilham algo em comum (o emprego, a vida, a pesca, o futebol, a música...) ou, apenas consigo mesmo.

 

neste contexto decidi lançar um estudo sociológico rigoroso e científico (porque há uma investigadora - eu -, uma amostra da população - eles - e um tema - relações)

metodologia: investigação participante

amostra: 12 indivíduos, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 11 e os 71 anos

questão: entras num bar e vês uma pessoa atraente, estão ambos na onda de "conhecer novas pessoas", o que ela poderá fazer ou dizer para tu perceberes "esta não"? (o ela deverá ser entendido sempre enquanto pessoa, quanto ao gênero, cada quem sabe de si)

 

respostas do sexo feminino:

.cuspir para o chão

.ter mau hálito

.desdentado

.usar meias brancas, camisa às flores, calças com bolsos de lado ou sapato super bicudo com a frente retangular

.nobreza de espírito, sanidade mental (não me adapto - risos)

.maltratar um animal, o empregado, ...

.conversa de engate banal

.ser um "player"

.ser muito "certinho" (esses escondem sempre qualquer coisa)

 

 respostas do sexo masculino:

.dizer que gosta de música pimba

.usar fio dental (e se notar), exagerados decotes e minissaias

.ela me mandar embora

.ser arrogante

.ser oferecida

 

e a vocês o que vos faz "saltar fora"?

 

quando o amor não chega

quando sabemos que estamos perante o final de uma relação?

quando temos que aceitar que amar não chega?

quando atirar a toalha ao chão?

 

sinto-me perdida, sem rumo e incapaz de tomar uma decisão - seja ela qual for, estou literalmente perante o "should i stay ou should i go"

já ouvi diversas vezes e em diferentes contextos que atualmente não se investe nas relações; que já não existem uniões de 20, 30, 40 anos; que há facilitismo e desprendimento nos afetos.

por outra lado há a "morte anunciada" de uma relação. quando sabes que a partir de determinado ponto as coisas só se vão degradar; tens consciência disso, mas teimas em ignorar.

existirá um meio termo?

um cinzento quase azul no qual consciente das limitações e das mossas na relação seja possível investir, sem te perderes no processo?

o que é razoável ceder? o que é razoável aceitar?

como desemaranhar este nó que se formou em nós e dificulta a nossa ação, o nosso discurso?

devia existir uma cirurgia a lazer que  quebra-se todos os nós que nos impedem de falar do coração...quebrar a pedra do ressentimento, da raiva, do orgulho, da implicância, do querer a todo custo mostrar ao outro a nossa razão.

não percebo se me desgasta mais a discussão pela luta do poder e da razão ou esta luta interna de tentar perceber de devo ceder ou não ceder.

não sou perfeita. ele não é perfeito. somos humanos. gostamos um do outro. somos diferentes. partilhamos valores.

habituamo-nos a viver sozinhos. a fazer as nossas escolhas. a viver ao nosso ritmo. por vezes nos acertamos. por vezes conseguimos comunicar, conseguimos ouvir. por vezes somos empáticos. por vezes deixamo-nos assombrar pelos nossos fantasmas. por vezes somos, por vezes gostaríamos de ser.

quando tudo parece perfeito acontece algo, aparentemente, insignificante para nos destabilizar com um fervor atroz!

estamos ambos a desistir. é palpável a tensão, a dor, a tristeza, o cansaço. um de nós avançará nesse sentido, ou no outro.

como saber se a nossa felicidade está na nossa relação ou no que virá depois dela?

sinto já que estou a fazer o luto. sem dramatismos, apenas uma profunda tristeza. já tenho idade e experiência de vida para saber que nada é eterno. que o amor não mata e que a dor se ultrapassa. mas isso não torna as coisas mais simpáticas  e menos dolorosas no agora.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

instagram

facebook

pinterest

blogs portugal

Follow

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D