Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mami

viver | amar | sentir | pensar | lutar | conquistar | desafiar | refletir | descobrir | experimentar | partilhar | aprender | acreditar | sonhar * ser mãe sem me perder de mim *

viver | amar | sentir | pensar | lutar | conquistar | desafiar | refletir | descobrir | experimentar | partilhar | aprender | acreditar | sonhar * ser mãe sem me perder de mim *

trago em mim... tanto de vós

quando pessoa afirmou, através de álvaro de campos, na tabacaria " tenho em mim todos os sonhos do mundo" e anos mais tarde antónimo variações cantava "estou além", desenhava-se um pouco do muito que agora sou.

uma alma sonhadora e exigente, querendo sempre mais e que, por isso, tem de gerir as inquietações da sua alma e uma constante insatisfação.

as minha spassagens de eleição da tabacaria:

"que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
Ser o que penso? mas penso tanta coisa!"

"em todos os manicômios há doidos malucos com tantas certezas!
eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?"

"o mundo é para quem nasce para o conquistar
e não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão."

"vivi, estudei, amei e até cri,
e hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu."

 

 de variações trago comigo:

"esta insatisfação 
não consigo compreender 
sempre esta sensação 
que estou a perder 
tenho pressa de sair 
quero sentir ao chegar 
vontade de partir 
p’ra outro lugar 
vou continuar a procurar o meu mundo, 
o meu lugar 
porque até aqui eu só 
estou bem 
aonde não estou 
porque eu só estou bem 
aonde eu não vou" 

 

pessoa e variações

diz-se que: estes são dois grandes senhores da cultura portuguesa!

 

 

não comam os bebés desta mães

não tenho de o afirmar numa antecipada defesa, no entanto sinto essa necessidade.

quem passa por este espaço sabe que tenho uma visão inclusiva da sociedade. acredito na liberdade individual e na riqueza da diferença.

gosto de experimentar coisas novas e aprofundar visões alternativas sobre assuntos diversos.

neste manancial de experiências e pesquisas vou direcionando o meu caminho num processo constante. há um rumo baseado nos pilares da educação que recebi, há objetivos e responsabilidades assegurados, mas o meios para os atingir estão em aberto, sendo permeáveis a diversas influências.

não sou de modas. não uso, não faço, só porque os outros fazem ou porque alguém ditou uma tendência. mas vou sorver conhecimento e inspiração a essas tendências.

acredito que experimentando lá nos vamos encontrando.

mas neste processo todo há coisas que me irritam (profundamente), nomeadamente: os fundamentalismos.

que eu adore um bife de vaca, mal passado, acompanhado de um bom vinho tinto, não faz de mim herodes (vá, para fazer uma alusão à época em que estamos) que manda assassinar os bebés de belém para matar o messias recém-nascido.

eu não critico ou condeno quem não coma carne. respeito os valores e as crenças de quem opta por essa opção. espero o mesmo respeito. e não que me tentem “evangelizar” levando-me a ver o caminho errado que percorro - pecadora que sou já me fustiguei com 20 chicoteadas esta manhã...só para criar crédito para os pecados do dia  )

 

exageros

 

imagens como estas irritam-me. comparar uma relação humana de mãe e filha com a mesma relação nos animais é patética (com ressalva para algumas espécies).

“não comam os bebés desta mães”?! wtf?! sou tolerante…mas não abusem!

apetece dizer: não comam as mães destes bebés! - referindo-me à espécie humana 

 

bem já desabafei...vou lavar roupa.

a greve das greves

nos últimos dois anos as greves foram muitas. muita gente zangada com o governo, com as normas europeias, com bancos ou multinacionais.

muitas pessoas indignadas com as greves no setor da saúde (nas quais me incluí).

mas nunca antes uma greve com a capacidade imobilizadora da greve em curso dos motoristas de transporte de mercadorias perigosas.

greve dos motoristas de transporte de mercadorias perigosas

 

estes senhores, podem sim parar o país! os combustíveis – como há muito sabemos pelas guerras, guerrinhas e guerronas entre países para dominar os territórios com extração de crude -, podem parar tudo: transporte, comércio, turismo, restauração, … saúde, segurança e transportes públicos e aéreos é que parece que não porque o governo bateu com o punho na mesa, mas calma, há serviços que podem parar por falta de funcionários… tirando as grandes cidades não há redes de transporte público que permitam as pessoas se deslocarem aos seus empregos (choquem-se, mas é verdade!), por isso, sem combustível muitos ficarão sem forma de se deslocar.

esta greve, pode mesmo fazer “dói dói” e encurralar os senhores que mandam! vamos lá ver no que isto vai dar.

a sorte é que vêm aí 3 para uns, 4 para outros, nenhum para alguns, dias de descanso que atenuam um pouco a sensação de calamidade desta greve. vamos ver como isto está depois de comidas as amêndoas e beijada a cruz. aleluia, aleluia!

 

 

para desanuviar não se esqueçam de participar no passatempo para ganhar um livro e um kit de material de desenho/pintura.

happy by zippy gerador de ódio

sendo hoje dia das mentiras, não trago uma mentira, mas algo que eu desejava que o fosse.

 

happy by zippy

imagens da zippy

 

na semana passada, após o meu post onde fiz um apelo ao respeito pela diversidade, deparo-me com a “polémica” que rodeava a marca de vestuário infantil zippy.

confesso que pensei: o mundo enlouqueceu!

mas eu sei onde tudo isto começou! sei sim…foi naquela desvairada da chanel, a coco para os amigos, que se lembrou em pleno século xx que as mulheres também haveriam de vestir calças!

e anos mais tarde, era eu já nascida e integrava a geração x, a loucura quando a calvin klein, para além de roupa, lança o perfume “one”- um perfume que dava para ela e para ele.

 

 

“credo” para além de podermos usar a mesma roupa…vamos cheirar igual?!...como nos reconhecemos nos escuros cinemas?!

mas isto não fica por aqui. não! os primeiros a atacarem as crianças foram os italianos. aqueles para os quais estamos todos unidos pelas cores…sim esses, os da benetton.

e mais haveria a acusar.

eu na minha fase grunge que andava vestida de preto e cinzento de pés à cabeça…comprava o que conseguia e me desse o ar mais triste e zangado possível – para além de procurar na roupa “antiga” de pais e avós  (com a quele ar gasto e velho). usava roupa de homem ou mulher ou o que me parecia a maior parte das vezes, sem género. mas vá pelo menos não usava aquelas cores lgbt!

e agora que sou mãe, sou uma nódoa. fiquei chateada quando no dia das bruxas a minha filha trouxe um chapéu de bruxa cor-de-rosa, por ser cor de menina. raios só eu é que vejo que o chapéu das bruxas é preto?! vá, quanto muito roxo. esperem, roxo não, porque está associado aos gays. e, eu mami, terei também de assumir que a minha filha usou muita roupa dos primos, tem um camião, comprei-lhe umas botas unisexo iguais às do primo e quase não usa ganchos ou bandoletes. sim, repetidas vezes nos questionam: é menina ou menino. também veste saias e vestidos. veste rosa, branco, azul, amarelo, verde, preto, cimzento...

as contradições da vida são uma seca.

esta história da zippy irrita-me porque os comentários são de uma intolerância brutal (em ambas as partes – os a favor e os contra a marca). há generalizações que podem ser ofensivas para muitas pessoas que não se revêm nas criticas feitas à marca (muitas ligadas com a igreja católica ou as famílias numerosas). uma tragédia clássica.

ao ler alguns comentários não pude deixar de recordar a audível afirmação da ministra brasileira da mulher, família e direitos humanos do governo de bolsonaro a gritar  “menino veste azul e menina veste rosa”.

 

 

 

não sei se acompanharam a polémica no facebook, mas se não o fizeram deixo aqui o best off 

frases de ódio "preferidas":

“ou retiram a campanha ou perderão milhares de clientes porque não vamos parar em denunciar a zippy!
um pedido de desculpas e defenderem publicamente a família matriz judaico-cristã no mínimo!”

“vocês são uma empresa capitalista, impressionante, como mesmo assim apoiam o socialismo e os seus projectos.”

“nunca mais... só de ver a marca já me dá asco!!!!”

“zippy é a este tipo de pessoas que estão a tentar agradar? pessoas que dificilmente terão filhos? óptima estratégia de negócio”

“eu não compro mais nada nas vossas lojas, tenho 2 filhas e irei continuar a comprar roupas de menina, são as minhas princesas, nunca o deixarão de o ser.”

“família só existe uma, constituída por um homem + uma mulher e respectivos filhos.”

“caro designer, o belo está na diferença, nunca na igualdade!”

“as crianças que vestirem isto, estão descaradamente a fazer ativismo. serão 'peões' num jogo de 'xadrez' de ativismos radicais, como o lgbti”

 

os defensores da marca:

“o mais engraçado é que essas pessoas têm filhos todos corridos com nomes com maria como segundo nome. não estou a perceber, defendem que um rapaz é um rapaz e uma rapariga é uma rapariga, e metem maria num nome de um rapaz?”

“um minuto de silêncio por todas estas pessoas indignadas que em 2019 tomaram conhecimento pela primeira vez na vida que existe roupa unissexo... o drama! o horror!”

“gostava de fazer aqui uma denúncia pública. fui violentada pela minha família que, nos anos 80 e 90, me obrigaram a vestir as roupas masculinas herdadas dos meus primos mais velhos. fui torturada e usada num esquema caseiro de pró-activismo lgbt.”

"na vá o diabo tecê-las e ao vestir uma roupinha daquelas,(que até são giras), virar gay!! nunca se sabe."

 

há muito mais para ler, mas o tempo (e a paciência em boa verdade) não é muito. deixo aqui o link do facebook caso queiram ir ver as maravilhas que o ser humano consegue dizer.

 

em jeito de resumo, algumas notas importantes:

- não podemos usar as cores do arco iris para nada que não se refira à comunidade lgbt;

- a zippy é uma marca tão poderosa que tem a capacidade de confundir a cabeça das crianças e criar dúvidas sobre o seu género ou a sua orientação sexual (afinal a orientação sexual já não é uma doença, agora é uma moda – receio o que virá no futuro para justificar esta situação do demónio);

- a zippy está muito triste e preocupada com este bost de publicidade! (hoje tinham, no post de divulgação da coleção 3,5 mil comentários e 943 partilhas)

 

 

para terminar esta minha reflexão deixo um excelente trecho de um comentário ao referido post que entra em defesa da marca e contra a ignorância apresentada em alguns comentários “vão estudar noções básicas de desenvolvimento infantil primeiro, a seguir leiam um bocadinho sobre identidade de género ou então não leiam nada e vão descarregar as vossas frustrações num saco de boxe. deixem as crianças em paz. “ amém!

 

 

 

 

 

 

 

liberdade de expressão exige responsabilidade

na semana passada andava eu a fazer aquele exercício vazio que nos rouba tempo mas que nos permite fazer um reset, ou seja, andava a passear pelo facebook, quando me deparo com uma publicação que captou a minha atenção:

 

apelo à ódio

 

 

achei de imediato a segunda imagem agressiva e homofóbica. e tive a curiosidade de ler a "informação" da primeira imagem - que levaria a tal alarme:

 

adaptação à realidade

 

li a informação, com a qual concordo, e pensei: que besta homofóbica e ignorante.

quanto ao besta homofóbica penso não ter de me explicar. quanto ao ignorante já terei de me justificar.

durante 8 anos trabalhei com população em risco com diversas vulnerabilidades. posso dizer-vos que contavam-se pelos dedos das mãos os agregados familiares com a configuração "tradicional". as famílias tinham composições diversas: monoparentais (com a mãe ou com o pai); fraternas (irmãos mais velhos que tomavam conta dos mais novos); avó, avô ou ambos a assumir o papel parental; a mãe/pai com a avó; a mãe/pai com o avô; famílias de acolhimento; crianças e jovens institucionalizadas... e outras. estranhamente, quiçá pela intervenção ser feita em meio rural, onde o preconceito ainda é muito, não haviam situações de pai/pai ou mãe/mãe. no entanto, em qualquer uma das configurações apresentadas comemorar o dia do pai e o dia da mãe era sempre muito penoso. era recordar uma situação que causava dor àquelas crianças e jovens. era lembrar-lhes que o pai ou a mãe não quis saber deles e os deixou por um(a) novo/a namorado/a,  ou que estava preso por ter violado o irmã mais nova, ou que tinha morrido de overdose, ou que não lhe tinha sido reconhecida a capacidade para cuidar deles (por já o ter posto em risco em diversas situações)...era recordar-lhes que quem mais os devia amar, não o fazia. era recordar-lhes que o seu pai não era o melhor do mundo (mesmo que fantasiassem que o eram). de que valia fazerem uma lembrança se não tinham a quem a entregar?!

pois é, senhor besta homofóbica e ignorante, não sãos as lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais ou transgêneros que destroem o conceito tradicional de família. é toda a sociedade na qual eu e o sr nos incluímos.

questiono, sr besta homofóbica e ignorante, porque é para si importante a comemoração do dia do pai ou da mãe? sente-se menos pai se na escola da sua criança não fizerem uma lembrança para o agraciar? necessita de ser enaltecido nesse dia, que os seus descendentes lhe digam o quão especial é? é mais pai no dia do pai? 

sei que não pediu, mas vou dar-lhe dois conselhos (de borla!):

1) olhe para além do seu umbigo. olhe para além da "perfeição" da sua família tradicional. pense que há famílias diferentes por seus condicionalismos ou, simplesmente, por opção dos seus membros. e, acima de tudo, entenda que uma família é um lar onde há amor, independentemente dos elementos que a constituem (onde, imagine lá, até pode não haver filhos!) - e, acredite ou não, mais vale uma família diferente do que uma família tradicional que esconda maus-tratos e negligência.

2) respeite os outros. não tem o direito de se achar superior, muito menos de tentar que as pessoas que optam por vidas diferente da sua, se sintam inferiores. não promova o ódio, muito menos quando baseado na ignorância.

 

acredite que não deve ser o sr a envergonhar-se deste país, é este país que se deve envergonhar de cidadãos como o sr.

 

 

 

não discriminação

 

 

quem quer respeitar as escolhas dos outros?

não me lembro de te ter pedido para decidires por

 

ando muito confusa.

por um lado, as pessoas defendem a pés juntos a liberdade individual e o direito à autodeterminação.  defendem a igualdade de género e a plena emancipação da mulher.

por outro lado, reduzem a mulher a um ser não pensante e incapaz de fazer escolhas, pois aparentemente, são um mero objeto ou marioneta nas mãos gigantes dos programas de televisão que andam a transportar as mulheres para o tempo – ou quiçá o continente - onde eram – e agora voltam a ser-, meras meninas casadoiras e serventes de seu marido.

questiono o porquê de diabolizar os canais de televisão, neste caso a sic (quem quer namorar com um agricultor?) e a tvi (quem quer casar com o meu filho?), por realizarem estes formatos de programas de entretenimento. quem não gosta, simplesmente, não vê. quem se inscreve para participar fá-lo de livre vontade. quem não concorda com o formato, não se inscreve. ninguém é obrigado ou obrigada a participar ou a ver o programa (um, outro, ou ambos!).

se uma mulher decide concorrer a um dos referidos programas está a usar a sua autodeterminação (lamentarão as senhoras e senhores feministas, que não a use para encontrar a cura para o cancro, para chefiar uma multinacional ou, simplesmente, para mudar o mundo), mas estão a usar o seu direito de fazer o que querem com a sua vida.

temos que deixar de ser arrogantes quanto à nossa opinião sobre o mundo e sobre as pessoas; temos de deixar de ser fundamentalistas e quiçá, se possível, perceber também que as nossas certezas são nossas e que podem não ser a de outros, que aquilo que é melhor para nós poderá não ser o melhor para todos.

tudo tem um contexto. e é esse contexto (social, familiar, cultural, profissional…) que enquadra as opções das pessoas. acreditar na liberdade é aceitar as escolhas dos outros. é não impor as nossas escolhas, mesmo que acreditemos que são as melhores. há vidas tão diversas, percursos tão diferentes, querer que todas as pessoas se enquadrem no mesmo padrão de vida é querer robotizar o ser humano. e no fundo que mal tem se o desejo de uma mulher for casar e ter filhos? que mal tem se não tiver ambição profissional? se o papel que a preenche, que a faz feliz é ser uma “boa” esposa e uma boa mãe. quem somos nós para retirar mérito a essa opção de vida?! porque teremos todas de ser “modernas” e querer ter carreiras de sucesso e atingir lugares de destaque “como os homens”?!

como há muito se diz: presunção e água benta, cada qual toma a que quer.

toca e brilha jacarandá

hoje vimos falar da coleção toca e brilha da jacarandá, composto por quatro títulos: animais da quinta, animais de estimação, animais bebés e animais selvagens.

 

toca e brilha

 

por cá temos os animais da quinta. tenho de confessar que a minha opinião sobre o livro é ambivalente.

livro cartonado muito resistente. as imagens são reais e de excelente qualidade, com um fundo sem ruído que permite facilmente compreende-las.  o elemento de toque é o pelo/pele do animal, também de muita qualidade. 

então, de que é que a mami não gosta?

do texto. este é apresentado em rima. não sei como será a versão original, mas a tradução para português não é muito interessante, por exemplo: "os cordeiros comer erva até fartar. no pelo macio podes tocar".

 

 

 

apreciação mami:   as imagens são o ponto forte do livro, de uma qualidade impressionante. o livro é fácil de explorar pela criança.

apreciação pg:   a relação da pg com o livro não é constante. quando vai à estante escolher, não é a sua primeira opção; mas quando pega nele gosta de o explorar e de explorar as opções de toque.

 

 

autora: make belive ideas, lda - uk

editora: jacarandá (editorial presença)

preço: 6,50€ (preço médio)

 

cucu com sons - ão, ão (dk)

quando temos uma criança que gosta de livros, temos vontade de a surpreender. estava ansiosa por ver a reação da pg a um livro pop-up, mas assim que comecei a explorá-los, ainda na loja, percebi que era uma péssima ideia. são lindos e surpreendentes, mas a pg ia destruí-los em dois tempos. como defendo que os livros são para ser tocados, sentidos, experienciados, não fazia sentido dar-lhe algo que ela ia romper e rasgar, destruindo assim a graça/sentido do próprio livro.

como queria algo diferente, achei que este “cucu com sons – ão, ão” seria uma boa aposta – como vêm ela concordou.

 

 

livro cucu com sons

 

 

as imagens do livro são reais e apelativas. a pg gosta muito de ver bebés, identifica-se com eles – não imaginam, nem eu imaginaria, a sua reação de deslumbramento quando recebeu um “bebé” no aniversário…a observação o tocar nos pormenores do rosto…foi lindo!

o texto do livro é simples e guia a criança na procura dos 5 animais escondidos, introduzindo conceitos como “detrás de”,  “por baixo de”. ao abrir a “janela” em que está o animal escondido, surge o som que este produz (vejam o vídeo).

o livro é cartonado e as suas páginas resistentes, mas tem um senão: as “janelas” que abrem para mostrar os objetos ocultos são frágeis, no vídeo verão que a primeira página está toda “remendada” - estranhamente ela só rompeu essa, deve ter sido num dia de fúria

a nível de dimensões é o maior livro que ela possui (sensivelmente 24cmx24cm), tem de o explorar sobre uma superfície, mas ela gosta de o fazer.

 

 

 

 

nota: o sensor para os sons é fotossensível, ou seja, exige luz. não imaginam o meu desagrado quando dou o livro à pequena (um dos seus presentes de aniversário) e era embora lhe ache graça, não se deslumbra porque o som não surge. o pior: por vezes emitia sons, outras vezes não o fazia. eu com o meu feitio (nada) adorável pego no livro e vou direitinha à loja. à saída do carro abro o livro e os bichos fazem todos os seus sons e, obviamente, para evitar vergonhas, entro no carro e vou-me embora. chego a casa, na sala, abro o livro e …nada! até sou moça esperta, pensei isto deve ser um mau contacto da pilha. desisti de em preocupar, ela gostava do livro na mesma. só passado algum tempo juntando a+b consegui perceber que era uma questão de intensidade de luz! demorou…mas cheguei lá!

 

apreciação mami:  acho um bom livro, fácil de explorar pela criança autonomamente e rico em aprendizagem quando a exploração é feita com o adulto (linguagem, conceitos de atrás de, debaixo de,…). pena a fragilidade das janelas.

apreciação pg: adora explorar as janelas, o destaque que as imagens têm em relação ao fundo (sempre colorido) e o facto de as imagens serem fotografias reais (prendem-lhe a atenção).

 

 

autora: dorling kindersley (dk - editora internacional)

editora: texto editores

preço: 13,50€ (preço médio)

Mais sobre mim

com o teu irs ajudar não custa mesmo nada

com um xi-coração podes ajudar!

leitura para crianças

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

rasurando

logo.jpg

diz não à violência doméstica

instagram

facebook

pinterest

segues-me?

Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D