Follow my blog with Bloglovin

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

mami

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

há cada uma! #22

hoje vou dar-me a honra de participar neste espaço ;)

depois de ter partilhado a minha primeira história, hoje venho subir… ou quiçá seja mais adequado dizer “descer” o tom.

uma característica da minha personalidade é ter pouca paciência para pessoas que não me acrescentam nada – creio que esta característica surgiu e se aprimorou com a idade. não sou uma snob arrogante – embora muitos pensem que sim; a questão é que o tempo que tenho para conviver com os outros é cada vez menor, por isso opto por investi-lo com as pessoas de quem efetivamente gosto.

após este breve enquadramento cá vai a história de hoje:

há uns anos uma rapariga que trabalhava na mesma entidade que eu, doravante denominada a moça, decidiu ofender-me numa mesa de café, com um grupo de colegas de trabalho. tal atitude surgiu por eu, na véspera, a ter ignorado numa festa de aldeia – contra mim confirmo que este facto é verdade, mas não esperava ser apanhada já que estavam centenas de pessoas naquela festa. no entanto nada justifica ofensas ao nível do discurso: “aquela filha da ****, a partir de hoje que não me dirija mais a palavra”. mas confesso que acatei o recado religiosamente, até porque ia ao encontro da minha vontade.

e assim foi durante um ano ou mais. um triste dia eu precisava de uma segunda pessoa para  a realização de uma atividade. embora a moça não trabalhasse na mesma área do que eu, como estávamos em agosto, não havia muita escolha. assim, foi-me dito que a pessoa que me acompanharia seria a moça. revirei os olhos, bufei e engoli.

no dia da atividade, num local idílico, num momento de pausa, eu e a moça estávamos sentadas uma frente a outra nuns banquinhos de madeira. a moça vira-se para mim e começa a falar como se fossemos as melhores amigas. eu impávida e serena, nem abria a boca, mas por educação e, quiçá, instinto, lá ia acenando com a cabeça. fiquei a saber do namorado, das quecas, dos gostos de ambos... enquanto ansiava pelo fim daquele momento – eu sei que estão a pensar que eu poderia ter acabado com aquilo… e é verdade! mas eu tinha prometido à minha colega de trabalho “que me ia portar bem” para não piorar a situação com a moça.

se acham que o pesadelo vivido acabava aqui…estão muito enganad@s!

a dada altura quando a moça descreve as suas preferências, informa-me que adora ver-se toda depilada. que é uma frescura e liberdade total e esteticamente é muito mais apelativo. enquanto eu processo a informação e questiono mentalmente em que é que isso contribui para a minha felicidade, a moça não tem mais do abrir as pernas, arredar a cueca para o lado e mostrar-me a sua patareca toda pelada. a minha cara deve ter parecido a de uma caricatura do filme a máscara, onde os olhos saltam fora da órbitra e sai um grito mudo de horror 

há cada uma!

há cada uma #22

 imagem retirada daqui

 

para recordar:

há cada uma! #21

31 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

instagram

facebook

pinterest

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

segues-me?

Follow

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D