Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mami

viver | amar | sentir | pensar | lutar | conquistar | desafiar | refletir | descobrir | experimentar | partilhar | aprender | acreditar | sonhar * ser mãe sem me perder de mim *

viver | amar | sentir | pensar | lutar | conquistar | desafiar | refletir | descobrir | experimentar | partilhar | aprender | acreditar | sonhar * ser mãe sem me perder de mim *

retratografia #4 [self-portrait]

abril, mês quatro, significa que chegou o quarto desafio do projeto retratografia.

desde janeiro que tenho aprendido imenso com este projeto. por um lado, pela pesquisa que vou fazendo e as tentativas para responder a cada desafio. por outro, na apreciação do trabalho das/dos colegas, com a partilha e o incentivo que existe.

gosto muito de fotografia, mas não sou de longe, minimamente conhecedora da arte. este projeto tem-me ajudado a saber fazer mais coisas e a querer saber ainda mais.

como sabem, sou uma blogger anónima, logo, fazer um autorretrato seria algo que, à partida, estaria condicionado.  este facto, exige apenas mais criatividade.

 

optei por desenvolver dois projetos:

1) nestas fotos pretendia mostrar quem sou não apenas no exterior, mas também através da partilha de um pouco da minha personalidade (cores vivas e alegres: energia e diversão; capacidade de criar e recriar – não desistindo perante contrariedades; a minha querida loucura sã e o meu desejo de amar, sempre).

 

retratografia self-portrait

 

 

nota útil: utilizei o programa photoscape x para criar o gif.

 

 

2) neste segundo projeto fiz um autorretrato desvendando o meu rosto, mas num tempo distante. ligando-me ao mais puro e sensível que há em mim. gostei muito do resultado.

 

retratografia 4

 

nota útil: as fotografias foram tiradas com o temporizador da máquina e editadas no vsco.

 

 

técnicas simples, de leiga e novata, mas que me deram muito prazer em desenvolver. agora, se quiserem ver coisas a sério, façam favor o de visitar as minhas/meus colegas de projeto:

catarina alves de sousa (criadora do projeto) - joan of july

ana garcês - infinito mais um

margarida pestana - margarida pestana

marta moura - fashionoir

natália rodrigues - escrever fotografar sonhar

joana sousa - jiji

artur e daniela - palavra padrao

marisa cavaleiro - marisa's closet (obrigada pela dica do gif)

fatia mor - vida às fatias

sábado: dia de acordar o tico e o teco

penso que já perceberam que adoro as imagens cheias de pormenores que nos obrigam a ir mais além do que os nossos olhos captam no primeiro olhar.

e tenho percebido que muitos de vós também nutrem esta paixão.

assim, trago hoje mais imagens para em 5 minutos desafiarem a vossa mente e despertarem o vosso sorriso 

 

 

 

dalí

(autor: salvador dalí)

 

 

 

 

ilusão

(fonte pinterest)

 

 

 

 

 

perfeita ilus

(fonte pinterest)

 

 

 

 

 

ilusão 1.jpg

(fonte pinterest)

 

 

 

 

 

ilus

(fonte pinterest)

 

 

 

 

 

ilusão cav.jpg

(fonte)

 

 

 

 

 

e para terminar... um desafio ainda maior:

quantos animais conseguem ver?

 

ilusão

(fonte pinterest)

 

 

se pudesses reviver um dia do teu passado, qual escolherias?

acredito que o autoconhecimento é a melhor forma de atingir a paz interior. descobrir e resolver questões que fomos enterrando no nosso íntimo na esperança que desaparecessem.

assim desafiei-me a responder à pergunta: se pudesses reviver um dia do teu passado, qual escolherias? 

não foi fácil nem rápida a escolha.

dilema: deveria escolher um dia feliz para reviver todas as sensações boas, ou escolher um dia menos feliz mas que me possibilitasse rever acontecimentos e melhor compreender as coisas?

quando surgiu a questão soube quem queria rever. só não sabia “quando”. como sempre é da reflexão que surge a luz.

 assim, escolhi um dia banal, pois é no somatório desses dias que se constrói o extraordinário de uma relação. decidi reviver um dia sem dramas, sem stress, sem euforias, sem nada que condicionasse o simples e genuíno prazer de estarmos juntas (rir, desatinar, gozar com as gafes da outra, decidir o que vamos jantar…). mais, queria reviver esse dia sem ter a consciência que em breve ela desapareceria para sempre da minha vida. queria (re)viver a inocência de acreditar no para sempre, de pensar impossível que uma jovem cheia de garra possa desaparecer aos 17 anos num acidente incompreensível. perder alguém que amo, que conheço desde que nasceu, sangue do meu sangue, foi a experiência mais dolorosa que já vivi. lembrar-me dela desperta em mim um sorriso nostálgico, não triste; sinto-me feliz por ela ter existido, por ter feito parte da minha vida, a dor que senti ao perdê-la foi justificada por tudo o que vivemos e não abdicaria disso por nada.

 

saudade

 

imagem retirada daqui

 

diz-se que: o amor pode ser eterno; o amor é imortal!

o orgulho nos relacionamentos

sou fã confessa da série dharma & greg. a série integra princípios que partilho quanto às diferenças entre as pessoas e o respeito por essas mesmas diferenças.
foi com esta série que  obtive uma das maiores aprendizagens sobre relacionamentos. aprendizagem que perpetuo sempre que consigo que o orgulho não vença!


num episódio da série - que não encontrei para partilhar aqui, os pais de dharma (protagonista da série) estão severamente furiosos um com ou outro por um motivo que não recordo - como acontece com a maior parte das discussões com os noss@s mais.que.tudo, a dada altura já nem nos lembramos das razões (ou falta delas) que abriram as hostilidades.

voltando ao episódio da série, a dada altura os pais de dharma saem do quarto, evidentemente após o coito – amei integrar aqui esta frase! dharma ao ver a cena e sabendo da zanga dos país, intrigada questiona-os.

os pais respondem descontraidamente que continuam zangados, mas que o corpo e as suas necessidades e que estas não devem ser afetadas pela diferença de perspetiva que de momento os assola.


este tipo de visão e a simplificação e simultânea valorização das necessidades físicas em relação às diferenças de cariz intelectual/comportamental/emocional, não as subjugando, exige uma grande maturidade e valorização da relação enquanto um todo.

seriamos todos mais felizes se elegêssemos essa via. acabaríamos de modo mais célere com discussões! seriamos capazes de visualizar de modo mais claro pelo que vale ou não vale a pena discutir!

quantas vezes não procuramos o afastamento do outros, pois sabemos que a sua proximidade nos fala “baixar a guarda”, mas que mal pode nos poderá isso fazer?! ah, pois… vai fazer moça na porra do orgulho!


o orgulho é uma arma e uma fraqueza. muitas vezes, alimentado pelo medo e insegurança, domina as nossas ações. passa um dia, passam dois, passa uma semana, um mês... e de repente estamos a partilhar a vida com um estranho e o mais triste é quem nem sabemos bem porque começou esse afastamento!


o orgulho é um dos principais inimigos dos relacionamento  - para não dizer o pior! também padeço deste mal, nem sempre tenho a clareza de espírito para me lembrar disso, na hora. mas recorro a esta aprendizagem antes de permitir que ele consuma e destrua a relação que com o tempo fomos construindo.


o físico e o emocional estão conectados. por quê desgastar-nos se um abraço (mesmo que negado à partida) pode acalmar a nossa ira, deixar-nos respirar e aclarar a mente.

não tenham medo, não resistam a quando estiverem zangados terem a coragem de abraçar, de beijar, de possuir aquele ser que tanto amam e que tanto vos ama. verão que depois, já mais calmos, pois a raiva terá dado lugar ao afeto, estarão mais recetivos a ouvir o outro e conseguirão expor as vossas questões desprovidas das “artimanhas” criadas pela zanga; estarão mais abertos à negociação e à reconciliação.

 


para quem não conhece deixo aqui um episódio da série - escolhido ao acaso , pois todos são geniais!

 

os livros, do volume I, da minha vida

em dia do livro decidi fazer uma viagem pelos livros da primeira parte da minha vida (comecei agora o segundo volume).

a leitura foi um hábito que adquiri na adolescência, surgiu de modo tímido, desbravou terreno e conquistou-me avassaladoramente.

já li muito. houveram livros que me marcaram pela forma como me puseram a pensar sobre determinados assuntos. outros pelo imaginário que faziam desenhar. outros pelas emoções que despertavam.

sendo eu algo esotérica a determinada altura comecei a compreender que não somos nós que escolhemos alguns livros, mas que são eles que nos escolhem. e isto torna este mundo muito mais interessante!

os livros que me escolheram:

- a metamorfose, franz kafka. o primeiro livro que me lembro de ter lido. foi aos 14 anos e teve um impacto abismal sobre mim. toda eu era transformações e em breve a minha vida também iria mudar de modo drástico, com uma mudança de país e de tudo aquilo que me era conhecido.

- a aparição, virgílio ferreira. um livro que despertou em mim imensas inquietações, fez-me questionar tudo. mexeu profundamente com as minhas certezas. um abanão que me levou a por tudo em perspetiva.

- todo o amor do mundo, harville hendrix.  um livro sobre relacionamentos que nos faz pensar no nosso papel na relação (nosso comportamento e atitudes) e na existência de uma outra pessoa também ela com uma perspetiva sobre as coisas (e desejos e receios).

 

o primeiro livro que me fez:

- rir: os meus problemas, miguel esteves cardoso

- chorar: as palavras quem nunca te direi, nicholas sparks

 

a saga fantástica que me apaixonou:

- harry potter, j. k. rowling

 

o que me manteve agarrada, página após página, fazendo com que o tico e o teco quase explodissem:

- o segredo, rhonda byrne

 

os que me fizeram por os pés na terra:

- diário de anne frank, anne frank

- queimada viva, souad

 

há muitos outros livros dos quais gostei, talvez melhores, mas foram estes que quando olho para trás saltam e se destacam…e se assim é, sem esforço de memória, é porque estão em mim!

livros da minha vida

imagem retirada daqui

vilalara thalassa - ideal para lavar a capa

o algarve é sempre uma boa escolha quando se procura um tempo agradável – a nível climatérico e a nível do ritmo a que se vive o dia.

encontrei um local onde a paz é total, onde o ritmo esmorece, a pressa desaparece e onde se podem apreciar pormenores que nos fazem sorrir.

a natureza enquadra cada edifício do resort e as cores intensas em tons de verde, bege e azul, fundem-se em total harmonia.

espaços grandes (quartos e áreas comuns), sem confusões, pequeno-almoço divinal e acesso direto à praia…assim é o vilalara thalassa resort, em porches.

 

quarto super clean e confortável

 

 

 

57485826_452499038819754_6959357065596764160_n.jpg

um belo romance 

 

 

 

57504171_2163920750395387_3498945904264609792_n.jp

a casinha de brincar é um mimo   

há também um espaço de atividades para crianças e um parque infantil (o hotel é completamente baby friendly!)

 

 

 

57538157_2064282803627598_6830382487642832896_n.jp

a praia das gaivotas... o nome encaixa na perfeição

 

 

 

57572661_173018813611995_8594928466439176192_n.jpg

natureza diversa um pouco por todo lado

57602800_1234138296751989_5181212142304493568_n.jp

 

58373993_2171113549591424_927052451570253824_n.jpg

 

 

 

58375080_413618536097750_4801443519015157760_n.jpg

belos pormenores perfeitamente enquadrados no todo

58442985_593849161091811_7086668056688066560_n.jpg

 

 

 

58377730_411080099682309_7667494711967350784_n.jpg

uma piscina de água salgada partilhada 

 

 

 

58441252_286019232281735_4473962119645102080_n.jpg

momentos perfeitos 

 

 

 

vilalara thalassa é um pequeno luxo, é certo, mas sempre acreditei que temos direito aos nossos desejos de requinte...e uma vez não são vezes 

 

 

miminhos para todos 

 

 

não tem sido um ano fácil, entre as exigências do trabalho e as da maternidade sinto-me cansada, sem energia e, constantemente, à beira de um ataque de nervos. um fim-de-semana neste pequeno paraíso em terras lusas permitiu que quebrasse com a rotina que aligeira-se a carga que me imponho, que deixa-se fluir a energia contida! não estou como nova, mas estou bem melhor ;)

neste belo local ou noutro qualquer, o fazer este corte com a realidade deveria ser obrigatório, como se de uma prescrição médica se tratasse. muitas vezes deixamos que as responsabilidades, as preocupações, os problemas nos engulam, nos roubem o ar, a energia, a alegria. e muitas vezes quando damos conta já estamos tão longe de nós que reencontrar-nos se torna difícil.

somos super mulheres e super homens, mas de vez em quando é preciso parar um pouco para lavar a capa, tirar-lhe todo o peso que carrega, para não deixar que o seu peso nos afunde e nos impeça de voar. não há maior mostra de coragem, do que reconhecer (sobretudo perante nós próprios) que precisamos de parar um pouco.

 

por do sol Vilalara Thalassa Resort

um pôr-do-sol inspirador

muito para além da aparência

hoje trago-vos mais uma maravilhosa série de imagens que desafiam a nossa visão.

há sempre algo mais para além do que percecionamos à primeira vista. há sempre algo que nos surpreendem.

 

façam uma boa viagem de divirtam-se 

 

ilusion

(autor: oleg shuplyak)

 

 

 

ilusão2.jpg

(fonte pinterest)

 

 

 

ilusao 5.jpg

(fonte)

 

 

 

ilusão 4.jpg

(fonte)

 

 

 

 

ilusao 7.jpg

(fonte pinterest)

 

 

 

ilusão

(fonte pinterest)

 

 

 

e para terminar com humor:

 

ilusion .

(fonte pinterest)

Pág. 1/3

Mais sobre mim

com o teu irs ajudar não custa mesmo nada

com um xi-coração podes ajudar!

leitura para crianças

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

rasurando

logo.jpg

diz não à violência doméstica

instagram

facebook

pinterest

segues-me?

Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D