Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mami

viver | amar | sentir | pensar | lutar | conquistar | desafiar | refletir | descobrir | experimentar | partilhar | aprender | acreditar | sonhar * ser mãe sem me perder de mim *

viver | amar | sentir | pensar | lutar | conquistar | desafiar | refletir | descobrir | experimentar | partilhar | aprender | acreditar | sonhar * ser mãe sem me perder de mim *

conversas de rua

insólitos

ao sair do trabalho passo por um grupo de 4 homens que rondavam os 30 anos.

estavam embrenhados na conversa.

é assim que, indiscretamente, ouço parte desta (impossível não ouvir visto falarem a pulmões cheios):

"tenho espanhol há muitos anos, já percebo daquilo. estou farto da merda do espanhol, só não sei é escrever"

 

spanish-375830_1280.jpg

imagem retrada daqui

 

pois coitado do senhor...já domina... só não escreve 

 

nem sempre é fácil, ou quiçá, nem sempre é difícil

relacionamentos

relacionamentos

como explicar a amálgama de sentimentos que tantas vezes sentimos?

será verdade que é uma característica inerente ao género feminino?

seremos umas mais voláteis do que outras?

ou, no que diz respeito a relacionamentos amorosos temos todas as mesmas sombras?

 

 

confesso ter saudades do meu "primeiro amor"; não pela pessoa com quem partilhei essa história – embora o recorde com ternura, mas pela magia, a inocência e a certeza da eternidade daquele sentimento.

sei, agora, que nada é eterno. nem o bom, nem o mau. chata a vida que nos ensina a desconfiar!

à medida que fui crescendo e acumulando desgostos, as minhas entregas passaram a ser "acauteladas", as decisões ponderadas - levando ao extremo a racionalização do subjetivo - e o jogo de poder constante - para garantir que deixo claro que não estou para que me magoem.

agora, até prova em contrário, e inevitavelmente aberta a essa possibilidade em consequência dos meus relacionamentos passados e de tantos outros que acompanhei e acompanho, tenho o namorido p.e.r.f.e.i.t.o.! para além de lindo – sim, sei que o amor pode deturpar a minha análise, mas o que interessa é como eu o vejo - é inteligente, tem princípios firmes, sentido de humor e, o mais importante, paciência de santo para as minhas inseguranças a variações de humor! tem, no entanto, uma forte falha para um ser sensível como eu: é autocentrado e nada romântico. mas é bom recordar que referi ter o namorido p.e.r.f.e.i.t.o. e não o príncipe encantado!

perante este cenário, deveria estar feliz e aproveitar cada segundo na sua companhia... e é o que acontece... quando não sou possuída pela névoa da insegurança e o meu desejo irracional de ser o centro do seu mundo. por vezes sou tão infantil que nem eu mesma sei como lidar comigo! e é aqui que vejo naquele ser toda a perfeição e afeição do universo. lida comigo de forma tão assertiva que me faz sentir “idiota” pelos meus desvarios!

porque o faço pagar pelas minhas deambulações amorosas? porque não acredito cegamente no seu amor?

a vida torna-nos frios e racionais, desprovidos do encanto e a magia de acreditar no "foram felizes para sempre". este aspeto não te de ser um fator negativo. ter noção das fragilidades de um relacionamento permite-nos lidar com ele de uma forma mais construída e até prevenir certas situações que possam surgir e fazer mossas na relação.

um relacionamento implica sempre duas pessoas. e cada uma delas é um ser único e especial, com as suas “taras e manias”. cada um tem as suas necessidades, os seus valores e exigências … nem sempre são compatíveis ou entendidos pela outra pessoa. a consciência disto dá-nos uma arma poderosa para “salvar o amor”.

a experiência traz-nos a consciência de que as relações são frágeis e por isso têm de ser trabalhadas e alimentadas.

traz-nos também a sabedoria para aceitar que as pessoas não mudam. ou seja, não mudam traços da sua personalidade, podem mudar alguns comportamentos, mas não mudam a base destes. assim, se o nosso companheiro tiver uma característica com a qual não conseguimos lidar, o melhor é deixar o barco enquanto a maré está calma.

a paixão surge naturalmente e é maravilhosa, mas um relacionamento estável e feliz é construído. essa construção exige trabalho, aceitação, entrega, partilha, empatia, sentido de humor, respeito e valorização do outro.

nem sempre é fácil, ou quiçá, nem sempre é difícil… todavia a cumplicidade atingida e a certeza do afeto do outro, valem bem a pena!

 

vamos afastar quem não nos merece!

amizade

muito dona do meu nariz, nunca fui de aceitar cinzentos no que toca a afetos. as pessoas querem ou não querem estar connosco. respeitam-nos ou não. valorizam-nos ou não.

nunca mendiguei, nem nunca desperdicei os meus afetos.

estranhamente as mágoas afetivas que guardo nunca foi com namorados. devo-as todas a (ex)amigos. amigos que não souberam lutar pela nossa relação. amigos que perante os ciúmes das namoradas optaram por se afastar.

nunca entendi tal comportamento. não consigo sequer explicar o sentimento de traição que senti. pois como é óbvio, falo de relacionamentos de amizade vincada e alimentada por anos de relacionamento. talvez eu tenha esse karma. aconteceu-me com 3 amigos, em diferentes fases da minha vida.

a minha reação? um corte definitivo. se fomos descartados, postos de lado e esquecidos, temos o direito a fazer um delete nessa pessoa. ninguém tem o direito de magoar ninguém, de trair a sua confiança e apor em causa anos de relacionamento!

embora achasse as gajas, promotoras da situação, parvas, nunca as responsabilizei. a mim nada deviam. quem me devia consideração era ele.

que fraquinhos os meus (ex)amigos. incapazes de lidar com a pressão da nova namorada. inábeis de me ir introduzindo a pouco e pouco na relação, quebrando as inseguranças das miúdas, e possibilitando que também nos tornássemos amigas. atrasados!

acredito em cortes radicais. só esses permitem fechar a ferida. não dão espaço a que hajam recorrentes toques na ferida, fazendo-a sangrar. doeu, curou, passou.

extremismo? talvez.

eu prefiro chamar-lhe autopreservação do ser!

o texto da miss l fez reavivar estas emoções negativas, mas, simultaneamente, fez-me reafirmar a certeza na minha decisão de afastar essas pessoas da minha vida (mesmo quando após o término da relação tentaram reaproximar-se).

relacionamentos

 

egoísmo e amor, podem coexistir?

não temos que gostar de todas as pessoas, mesmo que estas entendam que querem relacionar-se connosco.

é uma questão de liberdade individual.

 

egoismo

 imagem retirada daqui

 

esta afirmação torna-se paradoxal nas relações por afinidade. teremos o direito de negar a relação com uma pessoa que seja significativa para alguém que amamos? independentemente das razões  - reais ou imaginárias - que possam existir.

 já todos questionamos (pelo menos mentalmente)  a escolha de namorad@ dos noss@ss amig@s? do nosso irmão? da nossa filha? - vá não neguem! e, nesses  casos, puxando da nossa maturidade, engolimos as nossas questões e apoiamos. porque este é o limite da nossa liberdade: a liberdade do outro. nestas relações afetivas a escolha não é nossa - nem tem de ser,  a relação é deles. e, caso não se verifique nada que vá contra o bem-estar de quem amamos (violência, traição, parasitismo…), pomos o melhor sorriso e extravasamos simpatia, para não causar tristeza naquela pessoa de quem tanto gostamos. aqui, car@s, temos que relacionar-nos mesmo que não gostemos da pessoa, sobrepondo o nosso amor por alguém à antipatia por outro (mesmo que intragável).

 Por acreditar e praticar isto, quando surge na minha vida uma pessoa infantil e egoísta que não respeita a escolha do outro, fazendo exigências e ameaças, fico azul! como lidar com alguém que não se importa de magoar quem amamos?

 esta é uma situação pessoal que me aflige há já algum tempo, no entanto quero esclarecer que não tenho nenhuma mágoa por um estranho não gostar de mim, honestamente. até é gratificantes não despender o meu tempo e energia a tentar ser simpática. mas incomoda-me por ser uma situação que afeta e entristece a pessoa que amo - um ser equilibrado que tenta gerir a situação, lidando com a pressão e esperando que, como se por magia, ela desaparece-se (a situação, é claro)

 

como pode um adulto magoar quem ama? afastá-lo de si?  

eu sei que é recorrente nas relações amorosas, mas nas filiais que sentido faz?

são relações independentes, vidas independentes.

presenciar este egoísmo faz-me fervilhar a bílis!

não serás contagiado por mim!

com os números do covid-19 a descer e o tempo a passar é "normal" que inconsciente ou conscientemente comecemos a aligeirar as medidas de proteção individual e comunitária.

este vídeo, da nossa vizinha espanha, relembra-nos de forma simples e direta, sem dramatismos, as medidas e os cuidados a ter - que já ouvimos tantas vezes.

talvez a mudança na forma de comunicar nos ajude a "sintonizar" e a perceber que ainda não é tempo de baixar a guarda.

 

bolachas de amêndoa

continuo semiconfinada, luxos de uma licença de maternidade em tempos de pandemia. não posso negar que a parte mais complicada, para além dos poucos e limitados contactos sociais, é manter "feliz" a minha criaturinha de dois anos e meio. a sua energia natural é esgotante. a sua necessidade de contantes e novos inputs. a sua garra numa despreocupada e arriscada descoberta do mundo... não há nervos que aguentem!

lá vamos usando a cozinha como santuário de descontração - mas não se pense que é pacífico quando a diva ajudante põe as mãos na massa 

hoje partilho uma das experiências mais deliciosas: bolachas de amêndoa (ou quiçá o termo mais certo seja "biscoitos")

bolachas de amêndoa

 

.bolachas de amêndoa.

.90g de farinha de amêndoa

.30g de amêndoa aos palitos

.1 colher (chá) de fermento em pó

.1 pitada de sal

.30 ml de xarope de agave

.30ml de óleo de coco

.1 ovo

.raspa de meia laranja

 

preparação

.1. junta todos os ingredientes secos (farinha de amêndoa, fermento e pitada de sal), mistura bem e reserva

.2. bate o ovo e mistura-o com o xarope de agave, o óleo de coco amolecido e a raspa de laranja

.3. adiciona à mistura seca a mistura líquida, envolve bem e adiciona a amêndoa palitada

.4. leva a massa ao frigorifico por 30m

 .5. forra um tabuleiro de ir ao forno com papel vegetal e liga o forno a 150º

.6. retira a massa do frigorifico, faz pequenas bolas e achata-as com a mão ou com a ajuda de um garfo (para obter as quadriculas que vês na foto); dispõe as bolachas no tabuleiro e cozinha a 150º  durante aproximadamente 20min ou até ficarem douradas

 

diz-se que: são divinais como um miminho para acompanhar o café

relacionamentos tóxicos

no meio da azafama das minhas arrumações encontrei o meu diário de 2008!

venho partilhar um texto, que à distância já não faz doer, e que me orgulha pela decisão tomada:

"passei o fim-de-semana no algarve, o tempo estava ótimo, a minha vida nem por isso!

embora tudo convidasse ao relax e à descontração, ele estava comprimido como sempre.

nada o torna feliz, tudo provoca ira e não há forma de penetrar nessa muralha. para fora só vem mágoa e ataques...não sou capaz de continuar assim... não somos amigos e agora também já não somos amantes, que sentido faz continuarmos juntos? somos apenas sócios na compra da habitação, só isso nos une, uma relação comercial.

se pelo menos não me atacasse constantemente, eu poderia aguardar, ter esperança de que as coisas melhorassem.... mas chega!

não quero passar a minha vida ao lado de alguém que não quer ser feliz.

avizinham-se momentos complicados, mas sinto-me aliviada pela decisão tomada... todas as brigas, as ofensas vão finalmente terminar. preciso de paz. preciso de espaço para ser feliz."

relacionamentos abusivos

imagem retirada daqui

 

este texto foi escrito no início de março... no final de abril estava tudo resolvido!

só somos infelizes se decidirmos sê-lo. somos responsáveis pela nossa vida e pelas nossas escolhas! nem sempre são fáceis, mas têm de ser firmes.

 

bolachas de coco e limão

cá por casa continuamos com as experiências culinárias. esta semana criamos umas deliciosas bolachas de coco e limão. em metade adicionamos uma “moldura” de chocolate preto - para aqueles momentos mais gulosos. deixamos a outra metade simples para refeições ligeiras e a pensar na pequenota.

inspirem-se, façam e devorem!

bolachas de coco e limão

 

bolachas de coco e limão

- 20 unidades -

- ingredientes -

.100 g de farinha de aveia*

.65 g de farinha de coco

.3 colheres (sopa) de coco ralado

.1 colheres (sopa)  de açúcar de coco

.1 colher (café) de fermento em pó

.180ml de bebida de soja (ou outra bebida vegetal)

.raspa de um limão

.1 ovo

.chocolate preto 70% cacau (opcional)

 

*se só tiveres flocos de aveia basta tritura-los até ficarem em farinha

 

- preparação -

.1. junta todos os ingredientes secos (farinha de aveia, farinha de coco, coco ralado, açúcar e fermento), mistura bem e reserva

.2. bate o ovo e mistura-o com a bebida vegetal. adiciona a raspa de limão

.3. forra um tabuleiro de ir ao forno com papel vegetal e liga o forno a 150º

.4. adiciona à mistura seca a mistura líquida; envolve bem e amassa com a mão

.5. faz pequenas bolas e achata-as com a mão ou com a ajuda de um garfo (para obter as quadriculas que vês na foto); dispõe as bolachas no tabuleiro

.6. cozinha a 150º  durante aproximadamente 25min ou até ficarem douradas

 

caso desejes adicionar chocolate (eu usei cerca de 30g) corta-o em bocados e leva ao micro-ondas a baixa potência por um minuto. passado esse tempo mexe e coloca-o novamente no micro-ondas e vai mexendo a cada 15 segundos até obter um creme homogéneo – tem cuidado para não o deixar “cozer”.

quando o chocolate estiver pronto, “rola” as bolachas pelo mesmo. coloca-as novamente sobre o papel vegetal e leva ao frigorífico para solidificar. depois podes servir ou guardar num frasco.

Mais sobre mim

Mensagens

leitura para crianças

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

diz não à violência doméstica

instagram

mami.amora

facebook

pinterest

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

rasurando

logo.jpg