Follow my blog with Bloglovin

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mami

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

em jeito de reflexão

quase no final do mês de janeiro…ando à batatada com as minhas resoluções para este ano. ainda não sei com o que me (com)prometer... que fazer quando não se sabe o que fazer, o que se deseja, o que se pretende :/

não é por ter tudo. não é por estar infeliz. é por estar perdida. 

não é drama. não é marasmo. é inquietação.

há sempre lugar (com destaque e importância) para o amor, saúde, felicidade, nossa e dos nossos, paz no mundo e o bem estar da humanidade. mas se refinar a pesquisa no que se refere ao meu intimo fico sem conseguir saber o que desejo para mim, para a minha vida.

anseio por mudança, mas em que direção?! o desejo implica sempre a ação; não há o mágico da lâmpada para nos conceder a concretização dos três desejos. somos nós que os definimos para depois os concretizar. desejar implica uma grande responsabilidade de nós para nós, neste caso de mim para mim.

definir determinado caminho, determinadas escolhas, implica que algo ficará para trás ou não será explorado... implica assumir que por mais que seja o nosso desejo infinito de viver, fazer, experimentar, a nossa vida é finita, e fazer escolhas impõem-se. não pelos outros, por mim.

como conversava no outro dia, mais do que saber o que queremos temos de ter certeza do que não queremos. mas estranhamente essa consciência nem sempre é fácil quando se tem uma vida razoavelmente boa mas asfixiada pela vontade de mudar.

vou ali e já venho…ver se respiro um pouquinho!

viragem

fechar a porta

 

na passada sexta-feira tive um dia de cão vadio.

mais um "desgosto" no trabalho (eu que pensava que já estava imune!)

passei 2016 com o peso desta decisão, com avanços e recuos, mas a situação de sexta fez mesmo com que fechasse a porta. Quando me apercebi que não poderia haver outro caminho? Ontem quando em casa de uns amigos tive um discurso patético para o filho deles, que nada tinha a ver com o seu percurso profissional, mas sim com o meu!

a vida é curta, temos de aproveitar cada dia, fazer o que nos faz bem numa perspetiva otimista e saudável. temos, de igual modo, de ser economicamente responsáveis e para isso temos de trabalhar. porém, o que fazer quando o nosso trabalho inibe a nossa capacidade de ser feliz!

não estamos numa altura fácil para arranjar emprego. é verdade!

o nosso trabalho é um aspeto de extrema importância na nossa vida. é um facto!

estou frustrada e desmotivada. sinto-me desvalorizada. é uma vidência!

esta situação está a prejudicar o meu bem estar e a criar desequilíbrios emocionais. sem dúvida!

não vai ser fácil, sei que não.

vou começar 2017 com garra à procura de um emprego que me realize e que me permita crescer em todo o meu potencial!

sei que ainda é cedo para definir os objetivos de 2017 … mas que posso fazer, sou precoce!

habituei-me a estar sozinha

habituei-me a estar sozinha

em conversa com um gajo, que no dia em que me conheceu ganhou o meu respeito quando ao final da noite me disse: não gosto da tua postura (gosto de frontalidade), descobri mais acera de mim.

ele saiu recentemente de um relacionamento de mais de 20 anos. estava a explicar como estava a reestruturar a sua vida (casa, namorada, filho, finanças...) e no que sentia mais dificuldades.

com tristeza genuína referiu que o que mais lhe custava era acordar e não ter a quem dizer "bom dia", sentir-se sozinho. e que o maior receio que tinha era habituar-se a estar sozinho.

enquanto ele falava eu pensava no quanto gosto de estar sozinha, de ter o meu espaço e gerir o meu tempo. quando ele referiu a habituação, caí em mim. foi isso que me aconteceu. habituei-me a estar sozinha. mas será isso mau?

quiçá sim. sobretudo quando queremos estar com outra pessoa. quando ponderamos a maternidade e o deixar para sempre este domínio total do nosso espaço e tempo.

quando os relacionamentos amorosos se consolidam na "juventude" poucas pessoas experimentaram o viver sozinhas (pelo menos em tempo suficiente para a habituação); vivem com a família, depois com os amigos de faculdade, de regresso à família, a casas partilhadas com amigos, colegas e/ou namorad@s. 

quando os relacionamentos amorosos vão acontecendo sem se assentarem alicerces e a vida profissional dá-nos condições para viver sozinhos, deixando de partilhar casa com outros seres, vamos tornando-nos mais egoístas. a nossa vontade impera e ninguém exige ou contradiz. e este gostinho de plena liberdade nas decisões mais básicas vai-se incorporando-se em nós, tipo lapa que não larga.

o meu simplex teve um percurso semelhante ao meu. somos dois seres egoístas que estão a aprender a ceder um pouco (a pouco) do seu espaço, para permitir incluir o outro no seu dia-a-dia. nas grandes decisões tem sido fácil, nos pequenos pormenores é que verificámos o difícil que é desgrudar a lapa.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

instagram

facebook

pinterest

blogs portugal

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D