Follow my blog with Bloglovin

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mami

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

4 restaurantes que amei em s. tomé

s. tomé é um país de contrastes, de emoções e sensações. ninguém fica indiferente quando o visita.

pode gostar, pode não gostar... mas não pode negar que é um local com uma aura diferente.

foi uma viagem que me incomodou. e incomodar não tem de ser mau. fez-me sair da minha zona de conforto, do meu mundo cor-de-rosa. fez-me valorizar mais aquilo que já esquecera de valorizar.

 

mas como é de tachos e paparoca que vamos falar, ficam aqui os "meus" quatro restaurantes imperdíveis em s. tomé e príncipe:

 

.1. dona tété (localizado em s.tomé cidade)-  um quintal acolhedor com a simpatia do bem receber e o gosto em agradar - muito natural sem nada de forçado. a ementa é simples e apresentada à chegada, com destaque para o bom peixe. cerveja fresca para acompanhar - a rosema, cerveja nacional.

 

.2. restaurante da roca são joão dos angolares (localizado na localidade com o mesmo nome) - um delicioso menu de degustação num local lindo, com vista fantástica. uma experiencia sensorialmente completa! o restaurante conta com a assinatura do chefe joão carlos silva - tivemos a sorte da nossa degustação ter sido preparada e apresentada pelo chef -, uma delícia de pessoa.

 

1381187943.png

imagem retirada daqui

 

.3. casa museu almada negreiros (localizado roça da saudade) - mais uma mágica descoberta. um local perdido numa aldeia, nasce de uma associação de jovens que trabalha pela dinamização cultural da região e pela educação e cultura dos mais novos. opção única de almoço, com entrada, prato e sobremesa ... vale a pena deixar-nos surpreender. a "varanda" onde são servidas as refeições é encantadora e a vista deslumbrante. tudo é requintadamente simples e enquadrado nas cores e aromas da ilha.

 

.4. papa figos (localizado em s.tomé cidade) - pela proximidade com o hotel (pestana) este foi o restaurante que mais frequentamos. é um restaurante simples, grande e com atendimento muito simpático - aliás, simpatia foi o que mais encontramos por s. tomé. a comida é boa, com alguma variedade e os preços são muito convidativos.

 

se tiverem outras sugestões de restaurantes em s. tomé façam favor de as partilhar!

meu caro triptofano espero que a informação chegue a tempo 

3 restaurantes que adoro em aveiro

a veneza portuguesa, para além dos deliciosos ovos moles e das tripas doces, é rica em variada gastronomia.

 

as minhas sugestões para comer na cidade:

 

.1. tasca do confrade – na emblemática praça do peixe encontramos este restaurante de comida e decoração tradicional. excelente comida (qualidade e confeção) e um atendimento humilde e simpático (rua dos marnotos, nº34)

 

.2. giz – o meu restaurante de tapas em aveiro! (para quem deseje pratos completos é também uma excelente opção), com uma decoração que aposta nos pormenores. alguns imperdíveis: carpaccio de novilho, revueltos de alheira com espargos verdes, petinguinhas fritas, espetinho de camarão com queijo panado e muito mais (rua engº von haff 34)

 

.3. pizzarte – seguindo a minha paixão por comida italiana impossível não destacar este restaurante. tudo é delicioso e bem confecionado, a minha preferência cai sempre pelos crepes – de frango ou salmão e rúcula! (rua engº von haffe, 27)

 

jkljlkjl.jpg

 

aguardo que partilhem outros locais interessantes para se comer em aveiro

o meu roteiro pela ilha da madeira

aqui comecei a preparar a minha viagem à ilha da madeira, contei depois com a maravilhosa ajuda do sorriso incógnito e do blog da outra - excelentes dicas!

a minha viagem contava com a condicionante de os meus pais terem algumas limitações físicas, sobretudo no que se refere a longos percursos a pé; por esta razão eliminei, à partida, as levadas (ficarão para uma próxima) e tive de incluir, graças ao meu paizinho, o museu do cr7 que eu tinha naturalmente excluído (e tinha feito bem!).

no dia da nossa chegada (sábado) fomos brindados, na marina do funchal, com um espetáculo de fogo-de-artifício! parece que no verão faz-se o concurso para escolher as empresas que irão abrilhantar a noite de passagem de ano.

deixo aqui a minha experiências com os meus must e os dispensáveis desta viagem:

dispensáveis:

museu cr7 – não encanta. é simples. um mostruário dos trofeus do craque, com pouca graça ou interatividade.

 

ver slides »

 

must:

- mercado dos pescadores: o espaço é convidativo pelas suas cores e odores, mas também porque se sente um vibrar único quer dos vendedores quer das pessoas e sua curiosidade!

- centro histórico do funchal: um passeio agradável e visualmente muito rico!

- pico do areeiro: foi o meu top 1 da madeira! senti que estava nas nuvens! uma visão linda e única

- miradouro do cabo girão: uma vista vertiginosa, uma experiência imperdível!

- câmara de lobos: aldeia de pescadores pitoresca, com muitas cores e belas ruelas.

- vila de santana: vale pela fotografia de postal

- ribeira brava: gostei muito do seu centro aberto, excelente para um lanche

- curral das freiras e miradouro: entre vales e montanhas temos uma noção diferente da ilha

- piscinas naturais de porto moniz e toda a sua envolvência: um belo contraste entre a beleza e a força da natureza

-praias (machico, faial, calheta e praia formosa): só porque sim, porque adoro praia

 

o que ficou “pendente”:

-levadas

- passeio em carrinhos de cestos  (meus companheiros de aventura acharam “pouco seguro” e que eu devia “estar (mais) tolinha”!

- elevador panorâmico fajã dos padres (estava mau tempo quando fomos e a descida até à praia não fazia sentido)

- jardim tropical do monte palace (porque o tempo, esse malandro, não deu para tudo)

 

gostei imenso da ilha e desta viagem mas, em plena honestidade, tenho de confessar que a ilha da madeira não me deslumbrou. na dualidade das nossas ilhas (aqui falando de madeira e são miguel) terei de assumir, como na expressão americana: “dog person or cat person”, que eu sou uma “azores person”.

guimarães e a feira afonsina

 

guimarães

 

o passado fim de semana foi passado na histórica cidade de guimarães. esta é uma cidade à qual me apraz sempre regressar.

desta vez o regresso foi envolto em magia de outros tempos.

sou confessa apaixonada por feiras medievais e tive o privilégio de estar a decorrer, na cidade de guimarães, a feira afonsina (decorreu de 22 a 25 de junho).

feira afonsina.jpg

a feira, de acesso gratuito, é gigante e dispersas por várias ruas e praças da cidade, incluindo, inevitavelmente, o castelo de guimarães. tem animação para todos os gostos, representações de rua, recriações históricas, jogos, comes e bebes (não resisti aos maravilhosos crepes, às sandes de porco no espeto e à bela da sangria). em anos vindouros, se gostarem deste tipo de feiras, não percam a de guimarães.

*

no domingo de manhã, ao passear pelas principais praças da cidade, notei que estas eram preenchidas, sobretudo, por seniores. refleti sobre a possibilidade da cidade estar com uma população bastante envelhecida ou quiçá, estamos apenas, perante uma cidade em que a sua população, independentemente da idade, gosta de aproveitar e viver a sua cidade (sendo que os mais jovens estariam ainda a dormir em consequência dos "estragos" da noite anterior na feira afonsina ).

guimarães pela manhã

 *

o ponto negativo desta minha passagem pela cidade: o alojamento. não foi mau, mas foi uma desilusão.

pelos compromissos que tínhamos achámos que a melhor opção seria um hotel no centro da cidade. optamos pelo santa luzia arthotel. um hotel 4 estrelas que pelo preço (125€ noite, com desconto pois o preço de tabela é 180€) e pelas fotos promocionais promete mais do que oferece. não posso dizer que seja um mau hotel, mas acredito da equação simples de relação preço/qualidade. este hotel não vale o que custa. os quartos são minimalistas, o acesso a piscina interior é pago à parte (numa tarifa deste valor não se justifica), e há 3 coisas que valorizo imenso nos hotéis: a cama, o banho e o atendimento.

por azar:

. dormi super mal, as almofadas eram horrivelmente duras, acordei com dor de pescoço;

. a meio do duche gelei! a água quente desapareceu por segundos e enquanto gelava por fora, fervia por dentro!

. ao pequeno almoço tive de esperar 15 minutos por um café expresso, após ter renovado o pedido passados 10 minutos de espera – não se justificava perante o n.º de hóspedes e funcionários disponíveis.

não recomendo este hotel, por este valor e até menos encontram-se opções, certamente menos pretensiosas e mais ajustadas.

 

a minha experiência no portugal restaurant week

como partilhei aqui este ano experimentei pela primeira vez o portugal restaurant week promovido pelo the fork.

fiz duas escolhas, em diferentes locais, com diferentes companhias. 

quer o astória, quer o arcadas têm uma bela e requintada decoração.

 

astória  - integrado no hotel intercontinental, porto.

o atendimento foi de primeira, cuidado em todos os pormenores, irrepreensível.

 

entrada

.creme de cebola com seus crocantes - foi a escolha da "my person" - expressão só compreensive por fãs de grey´s anatomy - muito agradável com mistura de texturas.

.salada de bulgur com beterraba e seitan com legumes bio e molho de iogurte e hortelã - a minha escolha, muito boa!

 

prato

.lombo de bacalhau com crosta de azeitona - escolha da "my person", a crosta era doutro mundo o bacalhau insonso, o que me parece inadmissível para o nível do restaurante.


.leitão confitado com pera rocha em duas texturas - a minha escolha, excelente apresentação, ponto de cozedura, textura e sabor!

 

sobremesa

.bolo podre com neve de queijo fresco e gelado de abóbora - divinal, o melhor da refeição!

 

bebida - pago à parte

filipa pato bairrada - vinho branco (23€, doeu um pouco) - excelente!

 

_____________ * _____________

 

arcadas - integrado na quinta das lágrima, coimbra

bom atendimento, com a apresentação e contextualização de cada prato.

 

a ementa do portugal restaurant week tinha apenas uma opção de prato. chegámos tarde e cheios de fome, foi-nos sugerida uma entrada do chef, paga à parte, 6€ por pessoa. o mais.que.tudo. não resistiu: pães diversos, um excelente azeite e esta espuma de cogumelos com queijo de cabra:

delicia de cogumelos

 agora a ementa do portugal restaurant week:

entrada

.creme de abóbora e maçã com bacon crocante e ricota - excelente contraste de texturas e sabores

 

prato

.vitela ao cubo, creme de batata trufado e espinafres braseados - bem confecionado mas sem magia

 

sobremesa

.sabarin de arroz doce e abacaxi e sorvete de manga raiada de frutos vermelhos - delicioso! (eu que não sou nada de doces, nestas experiências fiquei rendida!)

 

bebida - pago à parte

tapadinha reserva 2012 - vinho tinto (21€, doeu um pouco) - excelente! + garrafa de água luso, 1litro (4€)

 

definitivamente não fica barato. vale pelo requinte da experiência. de notar que também escolhi os restaurantes mais caros disponíveis, já que o vaor fixo do menu era de 20€, obviamente que nas bebidas se sentiria a diferença do local. 

 

onde se come a melhor francesinha do porto?

o.mais.que.tudo. é fã incondicional da bela da francesinha.

a mim, confesso, passa-me ao lado. aliás sou mesmo daquela que pede francesinha mas manda tirar quase tudo: linguiça, mortadela, fiambre… estou a imaginar o ar horrorizado dos amantes puristas da francesinha 

como por amor tudo se faz…e porque gosto de uma fresca super bock…sempre que dá o desejo de requinte ao amor, lá vou eu.

ele é fã incondicional do capa negra II (parece que também há uma capa negra I mas esse não conheço), por isso este é por norma o restaurante escolhido.

eu gosto de variar e experimentar, por isso cometi a loucura de propor experimentar outro! ele, por norma, acede a pedidos (razoáveis) da minha parte. assim, iniciei a minha pesquisa pela net, queria encontrar um mesmo bom!

e o vencedor foi: o café santiago – que fica mesmo em frente ao coliseu do porto.

tinha lido que há sempre fila de espera, mas como íamos para um almoço tardio de sábado (15h30) não teríamos problemas… errado!

havia uma .l.o.n.g.a. fila, o funcionário disse-nos que o tempo médio de espera seria 1h. ora bem, almoço tardio implicava que a fomita já se manifestava…portanto para mim era impensável esperar mais uma hora!

o.mais.que.tudo. olhou para mim com aquela cara de “vamos ao capa negra II” e eu respondi verbalmente: não. há outro nesta rua que dizem que também é bom!

assim, numa olhadela para o lado (sim porque é mesmo ao lado) vislumbramos o lado b que se autointitula “a melhor francesinha do mundo desde 2013”.

tinha lido boas referências. nele havia também uma generosa fila. fomos informados que o tempo de espera seria de, no mínimo, meia hora.

estavamos no momento decisivo (é terrível estar à espera num restaurante, com fome, e ver toda a agente a comer. cruel até!).

a fila do outro era maior e eu, teimosamente não queria ir ao habitual capa negra!

optámos por esperar e para minimizar o esforço esperamos ao balcão enquanto malhávamos um fino  (na verdade foram  - era a ansiedade!)

não sou especialista neste típico prato portuense mas a francesinha estava deliciosa, o molho tinha um leve toque picante, o paladar, a textura, a temperatura tudo divinal! efetivamente a melhor que já comi. se é a melhor da cidade? não sei. mas que é muito boa, é!

francesinha

 

terei, numa próxima vez, de acampar junto do café santiago para ver se a qualidade da sua francesinha faz jus à sua fama!

 

e para vocês,  onde se come a melhor francesinha do porto?

portugal restaurant week | the fork

se há uma coisa que eu gosto é de boa comida (e bebida). se há outra cisa que eu gosto (muito) é de boas oportunidades.

o meu .mais.que.tudo. já me tinha falado, no ano anterior, do portugal restaurante week promovido pelo site the fork. sobretudo uma grande loucura na capital por restaurantes caríssimos estarem no preço redondo de 20€ por pessoa, com um menu criado para o evento para onde a qualidade e a distinção dos seus pratos era espelhavam a fama do restaurante. claro que quando nos apercebemos desta loucura já todas as reservas estavam esgotadas! ele, muito mais atento do que seu a estas coisas, este ano já me disse: começou! e eu confesso que não me fiz de difícil e lá fui inscrever-me no site e comecei a explorar e já fiz uma reserva. vamos lá ver como isto corre!

não se pode dizer que é barato, 20€ por pessoa + bebida. mas quando lemos o menu e a avaliação global do restaurante, baseada no tripadvisor que é o site ao qual recorro habitualmente para encontrar um restaurante quando estou fora dos meus habitas, não podemos, de todo, achar caro. é mesmo uma oportunidade para experimentar aqueles restaurantes que ficam “fora” das nossas opções por extravasarem a nossa capacidade de investimento neste prazer gastronómico.

então para por na agenda: portugal restaurante week 2017 decorre de 2 a 12 de março.

esta iniciativa tem como parceiro o millennium bcp pelo que os seus clientes, ah pois é, têm uma semana só para si! que começou no dia 23 de fevereiro e se extende até ao próximo dia 1 de março.

restaurant-week

 

deixo aqui os meus desejos para as minhas cidades neste portugal restaurante week:

lisboa – o nobre 

entrada à escolha

.sopa de santola
.folhado de queijo de cabra e maçã com salada verde e frutos sêcos

prato à escolha

.espetada de garoupa e manga com arroz malandrinho de lima e coentros 
.coxa de pato confitada em cerveja bohémia e quinoa de vegetais

sobremesa à escolha

.mousse de chocolate branco com iogurte grego e lascas de abacaxi
.bolo de chocolate quente e gelado de natas

 

aveiro – salpoente

entrada à escolha

.ovo bt, barriga fumada e cogumelos
.gema de ovo bt, espuma de batata trufada, barriga de porco fumada de boticas, cebola frita, cogumelos salteados e germinado de salsa"

prato à escolha

.bacalhau estaladiço
.bacalhau com ovo, salsa, pó de azeitona, aletria estaladiça e misto de alfaces"

sobremesa à escolha

.mousse de mascarpone
.mousse leve de mascarpone acompanhada com pistácio e frutos vermelhos em varias texturas

 

coimbra – arcadas

entrada

.creme de abóbora e maçã com bacon crocante e ricota

prato

.vitela ao cubo, creme de batata trufado e espinafres braseados

sobremesa

.sabarin de arroz doce e abacaxi e sorvete de manga raiada de frutos vermelhos

 

porto – astória

entrada à escolha

.creme de cebola com seus crocantes
.salada de bulgur com beterraba e seitan com legumes bio e molho de iogurte e hortelã

prato à escolha

.lombo de bacalhau com crosta de azeitona
.leitão confitado com pera rocha em duas texturas

sobremesa à escolha

.tubo de chocolate com mousse de chocolate branco
.bolo podre com neve de queijo fresco e gelado de abóbora

 

já experimentaram esta iniciativa em anos aneriores?

enoturismo | herdades do alentejo

a excelência e sumptuosidade dos sobreiros, com os seus extensos ramos e o conforto que a sua sombra proporciona nos quentes dias de verão no alentejo ... lembram-me a segurança e o conforta da família. proporciona-me uma calma prazerosa contemplá-los.

na última visita ao alentejo, a este meu prazer associei um outro, já antigo mas nunca experienciado in loco: o do vinho alentejano, as suas quintas e a vida à volta da sua produção.

o alentejo tem efetivamente um outro tempo, outros odores, outro céu, outro encanto.

ficamos alojados na herdade do grous - aconselho vivamente esta envolvente experiência. os quartos são grandes e cheios de miminhos: o confortável roupão, a fruta, o café, a deliciosa trufa de chocolate e o seu principal, anfitrião, o vinho da herdade; as casas de banho, enormes, são decoradas com azulejos tradicionais e robusta madeira. fiquei apaixonada pela excelente conjugação do rústico com o conforto. a herdade possui diversos equipamentos gratuitos para os hospedes: ginásio, piscina exterior, salas de estar ao longo da sua basta extensão, caiaques na barragem que a integra, campo de ténis, sessões de birdwatching e visita à criação do tradicional porco preto. possui ainda uma loja onde encontramos os produtos da herdade do grous, assim como produtos locais onde se inclui o artesanato. tenho por princípio não repetir experiências mas...esta deixou-me a vontade de voltar!

 

fizemos a visita à moderna produção da herdade do grous e prova de vinhos (esta varia entre 7€ a 50€). destaco: a maravilhosa cave da herdade onde decorre o estágio do vinho tinto nas barricas de carvalho francês todas perfeitamente alinhadas, tornando um espaço amplo e frio num espaço sensorialmente acolhedor; um enólogo dedicado e apaixonado e ... um excelente grous branco 2015 - complexamente genial, fresco e cativante.

 

 


os caminhos do alentejo levaram-nos, também, até a herdade esporão, esse gigante produtor! a herdade é colossal,  percorremos cerca de 6km desde o portão até ao edifício principal, por uma estrada sempre ladeada de parreiras. no edifício principal, a vista sobre a lagoa é de cortar a respiração e o odor, proveniente do restaurante, é de criar água na boca.
a visita à herdade do esporão consistiu na explicitação da produção vínica e foi extremamente interessante do ponto de vista histórico; foi uma surpresa o facto de o alentejo ser produtor de vinho (em larga escala e distribuição) apenas a partir do 25 de abril de 1974 (explicado assim os seus modernos métodos e equipamentos de produção), tendo durante a ditadura assumido o papel de "celeiro de portugal", ficando a produção de vinho relegada para consumo próprio.
as provas, esperado momento, realizou-se na loja da herdade (bem estruturada e organizada, apelando aos sentidos e à compra de produtos); foi-nos apresentado o defesa 2014 (branco e tinto),  o destaque recai aqui, claramente, para o vinho tinto.

dois dias, duas herdades, muito mais para visitar, uma desculpa para voltar.

 

 

 

nos meus 30 dias de gratidão, hoje #22 porque história estás grata?

pela história de amor dos meus país 

 

 

vinho no porto | 2 eventos a mesma paixão

eventos vinho

 

sou amante confessa de vinho.

gosto da diversidade que nos oferece e das surpresas que encerra.

os bons vinhos contam histórias únicas, fazem-nos sentir aromas, texturas e sabores incomparáveis. beber um bom vinho é uma experiência que envolve todos os sentidos…desde o som o saca-rolhas a extrair a rolha ao da garrafa a verter o vinho no copo; o brilho e intensidade da cor; os aromas frescos, exóticos, quentes ou envolventes que exala; a reação que produz na nossa boca, desde o adstringente ao suave aveludado; o sabor…tão diverso que impossível é generalizar!

por tudo isto e pelo prazer que me dão as experiências vínicas, tenho andado a questionar-me o porquê de se fazerem dois eventos para amantes de vinho no mesmo fim-de-semana (24 e 25 de fevereiro), na mesma cidade (porto).

limitam a nossa vontade e impõe uma escolha.

no ano transato fui ao simplesmente vinho. por 10€ deram-me um copo e com ele eu lá ia passeando pelos produtores fazendo as provas. supostamente havia também comida (para a qual recebemos senhas à entrada), mas como fomos já tarde (o evento encerrava às 22h) já pouco restava - o que não achei nada simpático! valeu-nos umas provas de azeite (maravilhoso) para ajudar a "ensopar" o vinho, porque embora sejam provas...depois de alguma até o mais forte se ressente!

este ano irei à essência do vinho, mais caro, 20€ se adquirido online (25€ se comprado na bilheteira -  ambos dão acesso a descontos em transporte - metro e comboio). a dinâmica do evento é semelhante; tem, no entanto, mais produtores (350) e atividades paralelas.

sendo os dois no mesmo fim-de-semana, faz sentido experimentar um "novo" mas para quem ainda não experimentou o simplesmente vinho e não quiser investir menos esta é uma boa opção (não vão é "tarde" e se for...vá de estômago forradinho ;))

a sapo lifestyle tem um passatempo a decorrer para quem quer (eu quero) bilhetes duplos para a essência do vinho 2017. por isso, se o vinho também é tua paixão, lança-te no passatempo.

 

 

 

30 dias de gratidão #15. por que estação estás grata?

a minha estação favorita é a primavera. o renascimento da energia, o sol, o calor, as tardes na esplanada 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

instagram

facebook

pinterest

blogs portugal

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D