Follow my blog with Bloglovin

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mami

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

. lifestyle . | devaneio & introspeção | descobrir | experimentar | partilhar | viver | sentir | amar | lutar | conquistar | desafiar | vencer | felicidade de ser e estar e não saber se se quer mais

em processo de análise

admiro o cristiano ronaldo pela sua resiliência, profissionalismo e sucessivas conquistas. o homem tem em si todo o mérito do seu sucesso.

agora ando por aqui a tentar perceber o que acho sobre à sua postura relativamente à paternidade. e o termo, narcisismo, não me sai da cabeça.

a dualidade da minha consciência, prende-se com o facto de eu acreditar que todas as pessoas têm direito as suas escolhas e a lidar com as consequências das mesmas. por outro lado, o cr7, tem filhos como quem encomenda um carro último modelo, escolhendo todos os extras, e tendo de esperar determinado tempo pela entrega do mesmo. sinto um vazio de humanidade.

quiçá estou a ser retrograda com esta minha postura, mas por alguma razão, que procuro entender, esta aquisição de filhos sem mãe, não me parece bem. quantos seres quererá ele criar à sua imagem? não tenho o direito de julgar as suas motivações, até porque as desconheço, mas não consigo não pensar sobre ao assunto.

 

1000 reações

eu que sou uma moça apanhadinha pelos números e as estatísticas, esqueci aqui de enaltecer mais um marco do blog: as 1000 reações!, alcançadas no passado dia 23 de junho.

agradeço a todos que por aqui vão passando e vão manifestando os seus miminhos 

hoje o meu obrigada especial vai para a "A Hipster Chique adicionou o post vazio de valores?! aos favoritos" tendo coroado "mami" com as mil reações.

 imagem retirada daqui

(d)epilação - só para meninas

minhas caras ando aqui a tentar perceber um fenómeno natural mas incomodativo.

os pelos são uma chatice. com a evolução da espécie não sei porque é que as meninas ainda os possuímos (isto não é sexismo, apenas falo em causa própria).

ou, porque não nos desprendemos de vez da ideia de que temos de nos (d)epilar. já muitas famosas o fizeram…embora eu confesse que não gostei de ver - já estou formatada para o peladinho.

mas a situação que me traz aqui hoje é mais específica, mas não menos chata. a (d)epilação da vagina. isto parece ser uma coisa de modas que varia entre o felpuda e a carecada, havendo vários níveis intermédios.

ora bem, das fêmeas com as quais falei poucas são as que dizem, no imediato, que gostam de se ver do mesmo modo em que nasceram. o argumento mais consensual é que é mais prático e que @s companheir@s gostam mais, sobretudo para o sexo oral.

eu confesso que não gosto, nem do efeito visual, nem da dor do processo. mas consigo ultrapassar estes factos. o que não consigo ultrapassar é o jato na hora de mictar! sobretudo no verão em que muitas vezes temos de recorrer a casas de banho improvisadas na natureza e que, sem os pelos que tão bem guiam a urina por uma linha uniforme, parecemos um daqueles jatos de jardim a disparar em todas as direções! isto para evitar a desagradável analogia com as vacas!

rush-780859_1280.jpg

imagem retirada daqui

 

meninas digam da vossa (in)justiça!

vá os gajos que decidiram ler, embora a advertência, podem partilhar a sua visão sobre o assunto.

guimarães e a feira afonsina

 

guimarães

 

o passado fim de semana foi passado na histórica cidade de guimarães. esta é uma cidade à qual me apraz sempre regressar.

desta vez o regresso foi envolto em magia de outros tempos.

sou confessa apaixonada por feiras medievais e tive o privilégio de estar a decorrer, na cidade de guimarães, a feira afonsina (decorreu de 22 a 25 de junho).

feira afonsina.jpg

a feira, de acesso gratuito, é gigante e dispersas por várias ruas e praças da cidade, incluindo, inevitavelmente, o castelo de guimarães. tem animação para todos os gostos, representações de rua, recriações históricas, jogos, comes e bebes (não resisti aos maravilhosos crepes, às sandes de porco no espeto e à bela da sangria). em anos vindouros, se gostarem deste tipo de feiras, não percam a de guimarães.

*

no domingo de manhã, ao passear pelas principais praças da cidade, notei que estas eram preenchidas, sobretudo, por seniores. refleti sobre a possibilidade da cidade estar com uma população bastante envelhecida ou quiçá, estamos apenas, perante uma cidade em que a sua população, independentemente da idade, gosta de aproveitar e viver a sua cidade (sendo que os mais jovens estariam ainda a dormir em consequência dos "estragos" da noite anterior na feira afonsina ).

guimarães pela manhã

 *

o ponto negativo desta minha passagem pela cidade: o alojamento. não foi mau, mas foi uma desilusão.

pelos compromissos que tínhamos achámos que a melhor opção seria um hotel no centro da cidade. optamos pelo santa luzia arthotel. um hotel 4 estrelas que pelo preço (125€ noite, com desconto pois o preço de tabela é 180€) e pelas fotos promocionais promete mais do que oferece. não posso dizer que seja um mau hotel, mas acredito da equação simples de relação preço/qualidade. este hotel não vale o que custa. os quartos são minimalistas, o acesso a piscina interior é pago à parte (numa tarifa deste valor não se justifica), e há 3 coisas que valorizo imenso nos hotéis: a cama, o banho e o atendimento.

por azar:

. dormi super mal, as almofadas eram horrivelmente duras, acordei com dor de pescoço;

. a meio do duche gelei! a água quente desapareceu por segundos e enquanto gelava por fora, fervia por dentro!

. ao pequeno almoço tive de esperar 15 minutos por um café expresso, após ter renovado o pedido passados 10 minutos de espera – não se justificava perante o n.º de hóspedes e funcionários disponíveis.

não recomendo este hotel, por este valor e até menos encontram-se opções, certamente menos pretensiosas e mais ajustadas.

 

os saldos e a gestão dos impulsos

os saldos são um fenómeno económico que poderia dar azo a profundos estudos psicológicos.

ir aos saldos – de modo presencial ou virtual – é um exigente exercício de autocontrolo.

eu tenho de “ter mão em mim” ou a desgraça acontece. tantas boas oportunidades, tudo tão “em conta”, aquelas peças que dão tanto jeito … tudo serve de pretexto para querermos tudo! e juro que eu desenvolvo uma lógica extremamente racional para que tudo faça sentido.

sexta-feira começaram os saldos e qui a menina já tem uma encomenda a caminho da bershka, da women´secret, da stradivarius, da pull & bear e da mango. juro que são apenas coisas que fazem sentido e imensa falta. bem, imensa falta talvez seja um exagero, mas sentido, têm-no todo.

agora mais a sério (pelo menos tentando não parecer uma bimba fútil), quando se tem um orçamento reduzido e trapinhos novos são um dos nossos pontos fracos, o investimento tem de ser cauteloso. as compras online (as minhas preferidas) permitem-nos calmamente avaliar todas as opções e fazer escolhas em vários sites em simultâneo, comparando o que está disponível e fazendo as escolhas certas respeitando o orçamento.

isto de ser rapariga de bom gosto e com um estilo eclético é uma complicação.

não digo que seja fácil controlar estes impulsos de tudo querer, mas a consciência e a responsabilidade a isso obrigam.

 

 confesso ter alguma dificuldade em compreender as pessoas que vão para além das suas possibilidades. não me refiro a fazer escolhas e a priorizar umas coisas em detrimento de outras. cada quem sabe do que necessita para ser feliz - podem haver pessoas que são mais felizes em gastar 30€ numa peça de roupa do que a jantar numa marisqueira.

o que não entendo é quem gasta o que não tem em coisas fúteis. por exemplo, gastando 300€ nos saldos e não pagando a renda desse mês…pois o dinheiro não chega p´ra tudo – acreditem ou não, isto acontece e não é tão raro assim. pessoas que ficam sem água e luz em casa porque não pagaram as contas, pois tiveram “outras prioridades” como passar todas as tardes no café para umas minis after work.

é obvio que o ideal seria que todos tivéssemos dinheiro para tudo o que precisamos e para o que nos dá prazer. mas como diz a minha santa mãe “o dinheiro não estica” … e, assim sendo, devem ser feitas escolhas conscientes.

que o consumismo não ofusque as nossas responsabilidades.

vazio de valores?!

tenho andado algo fora deste mundo. aos poucos vou sintonizando-me. e, embora achasse difícil, surpreendendo-me. 

como, como raio saia para o exterior o enunciado de um exame nacional?!

como raio uma jovem, sem problema algum, partilha publicamente no whatsapp o nome/função de quem proporcionou a fuga?! - não que o tenha de manter em confidencialidade, mas a falta de consciência das consequências do seu ato, choca-me!

 

"ó malta, falei com uma amiga minha cuja explicadora é presidente do sindicato de professores, uma comuna, e diz que ela precisa mesmo, mesmo, mesmo e só de estudar alberto caeiro e contos e poesia do século xx. ela sabe todos os anos o que sai e este ano inclusive. e pediu para ela treinar também uma composição sobre a importância da memória e outra sobre a importância dos vizinhos no combate à solidão. e pronto basicamente é isto. se isto não sair eu não tenho nada a ver com isto, ok?! ".

 

não estou por dentro do programa de português mas, pelo menos, parte do que foi divulgado é claramente verificável no enunciado da prova.

pondera-se agora a anulação da mesma, que por justiça e equidade nos resultados deveria ser isso a ser feito, sem desculpas ou considerações. mas mais, o que nos garante que esta professora não teve o mesmo comportamento em anos anteriores?! "ela sabe todos os anos o que sai e este ano inclusive"

como explicar a ética aos jovens de hoje se não for pelo exemplo?! estamos a voltar ao vazio de valores defendido por lipovetsky?!

 

na mesma semana que se torna viral o vídeo de rodrigo guedes de carvalho a encerrar o jornal da noite da sic em que concluí a sua história afirmando que "devemos todos ajudar a construir um mundo onde as crianças vejam que os adultos não faltam à sua palavra".

 

temos uma comunicação social a ser fustigada (a meu ver com razão) pela abordagem crua, selvagem e desleal com que tem abordado o drama dos incêndios, e surge este jornalista a provar que nem todos são iguais.

temos uma classe profissional, os professores, que se queixam da forma como o estado os trata, e surge esta situação em que num egoísmo latente, sem ética ou moral, um (?) professor (?) decide que é legítimo beneficiar (com informação) uns estudantes, sabendo como isso prejudicará outros.

não gosto quando o meu país me mostra que não há honra nem compromisso profissional, mas cativa-me desmesuradamente quando há pessoas que nos mostram que ainda há esperança!

 

basta de desculpas

forest-fire-2268725_1280.jpg

imagem retidara daqui

 

o ano passado vivi de perto o horror dos incêndios, mas não me tocou apenas a mim, portugal ardia. o início de agosto de 2016 foi terrível.

em 2017, o mês de junho traz-nos o maior pesadelo até aqui conhecido no país. uma situação rara que arrasta para a morte mais de 60 pessoas.

por mais que leia sobre o assunto, por mais programas aos quais assista, continuo a não compreender como é que num país que todos os anos é fustigado pelos incêndios, ainda não tenha desenvolvido programas de prevenção e intervenção efetivos!

não é a minha área, desconheço imensos fatores, mas atrevo-me a dizer que existem ainda muitas medidas a serem tomadas, muitos projetos de prevenção a serem desenvolvidos.

não se pode pensar nesta problemática apenas quando esta acontece e lamentar. o lamentar não evita as mortes que vão ocorrendo (população e heróis).

basta de desculpas e de alegados factos imprevisíveis.

respeite-se o povo, respeitem-se os bombeiros. 

 

o equilíbrio através do reiki

experimentar novas coisas sempre me atraiu, assim como descobrir novas sensações e despertar diferentes partes de mim!

há uns anos fiz o nível i de reiki, a sintonização. foi uma experiência muito agradável. inicialmente, após o período de 21 dias de autotratamento, fazia intervenção a colegas e a mim mesma, assim como recebia de colegas, numa partilha energética.

comecei a sentir coisas que não sabia explicar, sobretudo quando fazia a outras pessoas. tentei perceber um pouco mais dessas sensações mas a internet e os livros não eram suficientes. na altura fiz o curso em lisboa e vivia em aveiro, logo também não me sentia à vontade para pedir orientação da mestre.

comecei a afastar-me da prática, por não me sentir capaz de interpretar o que sentia e o que não sentia (das situações que mais me incomodou foi uma pessoa que não emitia, nem absorvia absolutamente nada, nenhuma passagem energética ocorreu durante a sessão, a pessoa parecia um bunker!).

houveram situações em que pelo contexto em que me encontrava apetecia-me fazer meditação e reiki, e fazia, mas a energia parecia não fluir; suponho que a ausência da prática traga destas coisas.

recentemente senti a necessidade de voltar ao reiki. estava desequilibrada energeticamente e precisava de encontrar um “tempo” em que a minha mente parasse. não imaginei que seria fácil recomeçar…mas a verdade é que na segunda sessão já senti a energia, na terceira já a sentia fluir e a partir daí tem sido um crescente de boas sensações, equilíbrio e bem-estar.

o que mais me cativa nesta situação é como o nosso corpo sabe pedir-nos exatamente aquilo de que necessita! já me aconteceu anteriormente na alimentação, sentir uma forte necessidade de comer determinado tipo de alimento (não me refiro a doces ou batatas fritas ;) ). ouvir o nosso corpo é fundamental para encontrarmos o nosso ponto de equilíbrio. não desvalorizemos o que sentimos, tentamos perceber o porque e satisfazer essa necessidade.

hand-534867_960_720.jpg

imagem retirada daqui

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

instagram

facebook

pinterest

blogs portugal

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D